sexta-feira, 13 de abril de 2012

Virtudes, Problemas e Cornetada nos 100 dias com Carrasco

Na base do lançamento...
Virtudes

Atacar, sempre! Essa é a principal qualidade de Carrasco, depois desses mais de 100 dias comandando o Atlético.

O uruguaio já mostrou que, quando fala em criar um identidade que guie todo o elenco, não está de papo furado.

Desde que assumiu, o treinador tem jogado sempre pra cima do adversário, com um esquema bem definido, onde todos sabem o seu papel e de seus companheiros.

Jogando num 4-3-3 com algumas variações de posições dentro de cada setor, o foco é a velocidade e o ataque na vertical. Sempre com dois pontas, um meia com muita liberdade pra entrar na área, e dois volantes que saem bastante pro jogo.

Outro detalhe importante notasse quando olhamos para o banco de reservas: o elenco está ficando homogêneo. Ontem, contra o Criciúma, o banco tinha Hugo, Bruno Costa, Alan Bahia, Harrison, Bruno Furlán, Marcelo e Patrick, onde qualquer um poderia entrar mantendo ou melhorando o nível técnico do time que estava em campo. Independente da necessidade de reforços, acho isso extremamente positivo dentro de um clube de futebol.

Também acho muito importante a variação de posições dentro de um mesmo setor. Isso, além de aprimorar cada jogador tecnicamente, ajuda a construir uma cultura de coletividade, onde todos tem que prestar atenção no posicionamento cobrindo melhor os espaçõs do campo. Isso parece óbvio, mas tem ficado de lado nos últimos tempos.

E falar em apostar nos jogadores da base é chover no molhado né. Importante, ainda mais com a "oportunidade" de jogar uma competição de nível técnico mais baixo, como a Série B, tem que fazer essa garotada estourar.

Problemas

É lógico que nem tudo é ótimo no comando de Carrasco.

Toda essa velocidade, em alguns momentos acaba virando pressa, que pode se transformar em posse de bola para o adversário. E contra um adversário de qualidade, deixar a posse de bola com eles pode ser fatal. Junte isso a nossa defesa, que ainda não está encaixada, e o problema se torna ainda maior.

Mas o problema da defesa, acredito eu, passa mais pela qualidade dos jogadores do que pelo esquema, afinal, num esquema ofensivo é aceitável que a defesa fique mais exposta.

Manoel falha pouco (falhou ontem no gol do Criciúma), mas seus companheiros (Bruno e Gustavo principalmente) falham demais. Quem sabe Rafael se acerte por ali, mas precisamos de mais um zagueiro. E não é colocando Renan Foguinho na zaga que vamos resolver as coisas.

E isso me leva ao principal questionamento da torcida contra Carrasco, as improvisações. Como eu mesmo disse acima, acho importante variar a posições de jogadores dentro de um mesmo setor, mas, também como já disse em outro post, tudo tem limite.

Renan Foguinho nunca será zagueiro, mal é um bom volante;
Pablo nunca será um lateral, no máximo ala;
Heracles finalmente está conseguindo ser um bom lateral, não improvise ele na meia;
e MANOEL NO ATAQUE NÃO, NÃO e NÃO!

Como ainda estamos jogando no Paranaense, acredito que sejam testes, apenas. Agora que a coisa séria vai começar mesmo, quero acreditar que as improvisações malucas vão parar.

Cornetada

E pra finalizar, uma cornetada no esquema de Carrasco.

Estava com saudades de um Atlético veloz, ofensivo, criando várias chances de gol dentro de uma partida, mesmo que sofra um pouco na defesa. Isso tem acontecido porque o time joga na vertical, sempre preferindo o lançamento rápido ao toque de lado. Mas isso tem criado um espaço enorme entra o ataque e o meio, principalmente quando Baier e Liguera jogam juntos, pois os dois sempre que recebem a bola, dominam e lançam, não dando tempo para a aproximação dos meias no ataque.

Por isso acho importante que Harrison entre mais nas partidas, e como meia. Não acho que Harrison é craque, nem é um novo Jadson (por favor imprensa, parem com isso), mas é um jogador com um grande potencial, mais carregador de bola, mais novo e por isso mais rápido que Baier e Liguera. E numa partida onde os lançamentos verticais não dão certo, Harrison pode ser o jogador que entra tabelando na área pra marcar.

E como colocar Harrison? Meu 11 de hoje (com todo o elenco) seria:

Rodolfo; Gabriel Marques, Manoel, Rafael Schmitz, Heracles; Devid, Alan Bahia, Harrison; Guerrón, Liguera*, Edigar Junio **.

* Liguera seria um falso atacante, como jogou em parte do segundo tempo da partida contra o Criciúma.
** Ricardinho seria o titular da posição, mas Edigar vem jogando muito bem, vale a aposta.

Saldo

Somando tudo, os prós e os contras, acredito que Carrasco vem fazendo um ótimo trabalho, resgatando um Atlético ofensivo que não existia desde 2004, com muitos jogadores da base, muita velocidade e muita entrega do elenco.

---

E ontem contra o Criciúma, Guerrón fez 4 e perdeu mais 3... segue o vídeo:

Nenhum comentário:

Postar um comentário