quinta-feira, 29 de março de 2012

É proibido mudar (o esquema tático)


Carrasco já disse varias vezes que seu jeito de armar o time é no 4-3-3 e pronto, mas com esse elenco atual, e devido as contusões de Marcelo e Ricardinho, será que pequenas mudanças no esquema não tornariam o time bem mais produtivo?

Minha opinião é que sim, e para as próximas partidas, eu mudaria o esquema do Atlético para um 4-4-2 meio torto, com:

Vinicius; Pablo, Manoel, Gabriel Marques, Héracles; Deivid, Alan Bahia (Zezinho), Liguera, Harrison; Guerrón, Edigar Junio.

Deixando Guerrón na ponta esquerda, com Pablo subindo mais ao ataque, com a posse de bola teríamos dois "pontas", como no 4-3-3 atual, com Alan Bahia (Zezinho) ou Deivid fazendo a cobertura do lateral-direito que subiu.

Pelo meio, Liguera ou Harrison também podem cair pela direita quando Pablo não subir, com o outro entrando na área para concluir (e Liguera já mostrou que essa é sua especialidade - e não tem entrado nas últimas atuações), e os dois volantes fazendo a sobra.

Acredito que com essa formação Carrasco poderia aproveitar melhor as qualidades do elenco, ainda com Baier e Marcinho podendo substituir os dois meias, com Renan Foguinho como opção, além de Bruno Furlan, Rodriguinho e Marcelo (quando voltarem) sendo opções no ataque.

SRN.

terça-feira, 27 de março de 2012

E se o Atlético segurasse os jogadores revelados no clube?


Jadson, ídolo que jogou apenas 1 ano
por aqui
Nesse período de tédio do Campeoanto Paranaense, uma das diversões, pelo menos pra mim, é ficar fazendo exercícios de "e se...", utilizando o passado para imaginar um futuro melhor.

Então, e se os jogadores da base não fossem sempre vendidos na primeira mala de dinheiro oferecida, como poderia estar nosso time hoje.

Pensando rápido, lembrando de alguns nomes, teríamos um baita time, mas com uma fragilidade já apontada por muitos: porque não revelamos atacantes?

Pra quem lembrar de mais nomes que poderiam estar HOJE jogando, comentem aí!

Fernandinho, pouco mais de 1 ano
no CAP.
Goleiros: Guilherme;
Lateral-direito: ???;
Zagueiros: Manoel e Rhodolfo;
Lateral-esquerdo: Alex Sandro;
Meias: Deivid, Fernandinho, Jadson e Harrison;
Atacantes: ??? e ???;

E já que é pra imaginar, vou colocar o técnico aqui também, e o melhor que passou por aqui nos últimos anos, pra mim foi Ney Franco. (Carpegiani também, mas nesse caso não tinha como segurar)

E aí, mais alguém?

SRN

sexta-feira, 16 de março de 2012

Atlético passa com vitória simples, mas sem correr riscos


Jogadores aquecendo antes da partida
Isso não quer dizer que o Atlético foi bem.

Foi mal, criando muito, em pouco tempo, e na maior parte do tempo criando pouco, na base do lançamento e errando muitos passes.

O resultado natural na partida de ontem seria um 3x0, ou um 4x0, considerando as chances cara-a-cara perdidas por Paulo Baier, Harrison, Bruno Furlan e Guerron.

E considerando o time semi-amador como o Sampaio Corrêa, foi pouco. (aliás, como conseguiram perder o jogo de ida, incrível)

Não dá mais

Paulo Baier parece ter 50 anos perto da velocidade da garotada que vem jogando no time titular. Nesse esquema, onde velocidade é mais importante que precisão (como disse o próprio técnico Carrasco), e lançamentos rápidos são prioridade contra a possa de bola, Baier não pode mais ser escalado.

Gustavo não tem qualidade pra defender o rubro-negro, muito menos como titular. Perde quase todas na velocidade, e quando ganha trata de tentar um lançamentos maluco, praticamente sempre errando. Talvez tocando mais "de lado", admitindo sua deficiência técnica, possa durar mais um pouco. Mas é outra posição aberta no time titular.

Bruno Mineiro é limitado, todos sabem. Acerta uma depois de errar pelo menos cinco.

Por enquanto vai

Marcinho como meia, ou ponta, também parece não encaixar. Já como centroavante, tem tido sucesso pela fragilidade técnica dos concorrentes a vaga e dos adversários. Precisamos contratar para posição;

Pablo tem melhorado bastante a cada jogo que faz, sendo bastante útil no ataque, e sempre fazendo faltas infantis e perigosas na defesa;

Bruno Furlan é muito participativo em todas as partidas, correndo o jogo todo, aparecendo pra receber em qualquer posição do campo. É rápido, forte, e tem um chute bom, mas é incrível como não consegue ser decisivo. Talvez durante o ano, com tempo de jogo venha a ser, mas hoje...

Podemos contar

Rodolfo parece ser um goleiro minimamente regular para a disputa da série B;

Manoel dispensa comentários, infinatamente acima do resto do elenco fisicamente, o zagueiro ganha quase todas;

Deivid parece estar enfrentando um momento difícil, jogando de segundo volante, aparecendo no ataque e tendo que voltar rápido para recompor os espaços que Paulo Baier não consegue cobrir ali na meia, não vem muito bem. Mas tem crédito, e deve voltar a jogar seu futebol com o amadurecimento da equipe.

Héracles não é nem o pereba que tantos falar ser, e nem o baita jogador que tantos outros achavam que poderia ser. Vem evoluindo devagar, e acredito que pode ser o titular da função para o resto da temporada.

Harrison é habilidoso, rápido, mas ainda some demais na partida, e cansa de perder gols. Mas é garoto e deve evoluir junto com o elenco durante a temporada. Só não pode ser tratado como futuro Jadson, pois não está NEM PERTO de parecer isso.

Guerrón é fraco (sim, é fraco), pelo menos para o Atlético que eu sonho (e lembro) em ver. Por exemplo, alguém acredita que Guerrón teria espaço no time de 2004? Nem pensar! Mas no elenco atual, o inconstante equatoriano pode sim ser o destaque.

---

Comecei pra falar sobre a partida e acabei falando o que acho de grande parte do elenco... mas enfim... é isso!

SRN

quinta-feira, 15 de março de 2012

Hoje é dia de lotar a Vila Capanema

Atlético x Sampaio Corrêa, hoje (15/03/2012), no puxadinho...

Bora, porque #EuTeSigoEmTodoParte

Final de tarde no puxadinho... #EuTeSigoEmTodoParte

segunda-feira, 12 de março de 2012

Fórmulas malucas

Muito se discute sobre a extinção dos campeonatos estaduais, sobre os exagero de clubes na Copa do Brasil, ou mesmo sobre as fórmulas malucas para o Campeonato Brasileiro.

Essas discussões normalmente acontecem no ínicio das temporadas, por pura falta de assunto, mas sendo bem sincero, gosto de discutir sobre o assunto.

E agora, com a saída de Ricaro Teixeira da CBF, os clubes deviam tomar as rédeas do futebol no país, organizando competições que tragam ganhos financeiros e técnicos... Mas só de pensar dirigentes que comandam os clubes são os mesmos que há anos vinham mantendo Teixeira no poder... que medo!

Mas como gosto de pensar no assunto, vamos as "minhas" fórmulas malucas:

Estaduais dando cada vez mais prejuízo.
Estaduais (e regionais)

Paulista, Carioca e, talvez, o Gaúcho e o Mineiro. De resto, acredito que a melhor solução seria unir estados em competições novas e mais fortes.

No Nordeste, a antiga Copa do Nordeste com certeza traria muito mais benefícios financeiros e técnicos aos grandes clubes da região. Então porque não fazer um "regional", mesmo que em formato de pontos corridos, sendo que os menores clubes (do interior) disputariam estaduais classificatórios para o Regional.

A mesma fórmula poderia ser usada na região norte, mas aí com clubes ainda em pior situação financeira, poderiam fazer um campeonato no mata-mata, com menor gasto de viagens para os clubes.

Na região Centro-Oeste, Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul e Distrito Federal poderiam organizar também seu regional...

Em Minas, de longe, o campenato parece ser fraco... quem sabe a volta da Copa Sul-Minas seria a solução?

O que a FPF faz pelos clubes?
E aqui, no Paraná, porque não a volta da Copa Sul?

E no caso de Minas e Rio Grandes de Sul manterem seus campeonatos, poderíamos juntar o Paranaense e Catarinense, com certeza já melhorando o nível técnico do campeonato. Assim, um campeonato com 12 times ficaria mais ou menos assim: Atlético, Coritiba, Paraná (ou não), Londrina, Rio Branco e Operário, Avaí, Figueirense, Criciúma, Joinville, Marcílio Dias e Chapecoense...

Um patrocinador pagaria melhor, o campeonato seria tecnicamente superior, os estaduais continuariam existindo, mas seriam classificatórios para o regional, e o número de datas poderia ser bem inferior, e com certeza levaria muito mais público aos estádios...

Imagine, utilizando os moldes do campeonato carioca, com 12 clubes, sem semi-finais, poderíamos fazer um campeonato com 16 datas, sendo 4 jogos finais de turno (ida e volta), e outros 2 jogos de final geral (ida e volta).

Além disso, seriam jogos contra Coritiba, Paraná, Criciúma, Avaí e Figueirense... bem melhor que Roma, Toledo e J. Malucelli...

Enfim, na verdade mesmo, apenas a diminuição da quantidade de datas para os estaduais já traria algum benefício...

Copa do Brasil

A fórmula atual me parece interessante, mas acredito que pode ser melhor explorada financeiramente, ajudando os clubes menores, principalmente, com os gastos de viagens. As datas deveriam ser esticadas para o ano inteiro. Além do ÓBVIO problema dos clubes da Libertadores que não participam... mas isso parece que acabou, e em 2013 tudo volta ao normal...

Quem manda na Premier League são os
clubes (leia mais)
Libertadores

Como campeonato mais importante do continente, deve ser extendido ao ano todo também, com a disputa do título apenas em dezembro, permitindo intercalar os meios de semana com datas da Copa de Brasil.

Campeonato Brasileiro

Na minha opinião, a manutenção do formato de pontos corridos é obrigatória, não tem como contestá-la. Mas é importante fazer com que o Campeonato comece antes, permitindo que a Copa do Brasil e a Libertadores sejam jogadas ao longo de todo o ano. Mas pra isso também é obrigatória a diminuição das datas dos estaduais.

SRN
#ForaHélioCury