quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

[Vídeo] Como ficará a nova Arena da Baixada

Eu sei que todos os atleticanos que acompanham o Blog já devem ter visto o vídeo, mas não tem como deixar de compartilhar com a galera, "vale a pena ver de novo" várias e várias vezes!


---

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Um "11" para começar o Brasileiro em 2013

Terminou o sofrimento da Série B, subimos! Agora é a hora de especular?

Uma grande virtude de Mario Celso Petraglia como presidente sempre foi manter as especulações sem sentido longe do CT do Caju. Detalhes sobre as contratações e propostas, normalmente, apenas são descobertas depois do clube já ter fechado negócio.

Pra nós torcedores é uma chatisse, é verdade. Mas no mercado maluco do futebol, é mais do que necessário para fazer bons negócios.

Por isso, poucos nomes foram especulados por enquanto, e todos na base do achismo, então nem vale comentá-los aqui. O jeito é escalar um possível time para começar 2013 dentro do que já temos, e pra mim o time seria mais ou menos esse: Weverton; lateral-direito, Manoel, Cleberson, Pedro Botelho; Deivid, João Paulo, Elias; Marcelo, ponta, atacante.

football formations

Deixo 3 posições em aberto, lateral-direito, ponta/meia e centroavante.

A primeira por não ter certeza da permanência de Maranhão, além de considerar que, mesmo com ele no elenco, podemos reforçar a posição.

A segunda também por não ter certeza da permanência de Felipe e/ou Henrique não elenco. Felipe parece ter potencial, precisa provar. Henrique já mostrou que não serve pra Série A.

A terceira posição seria a de Marcão, que por ser fraco tecnicamente, não vejo nem como boa opção de banco pra Série A.

Possíveis substitutos podem vir da base, e como a diretoria de futebol já adiantou que deve contratar 4 ou 5 jogadores de nível bom, vamos aguardar com esperança!

PS.: Outros bons nomes que devem compor o elenco rubro-negro em 2013: Santos, Luiz Alberto (surpreendeu pela liderança), Derley (vejo potencial pela raça e liderança), Paulo Baier, Liguera (merece uma chance com o sub-23 no início do Paranaense).

PS2.: Paga um "Penha" pra eles: Ricardinho, Henrique, Fernandão. TCHAU!



---
Blog do Furacão no Facebook

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Os absurdos salários dos técnicos no Brasil

Oswaldo de Oliveira, R$350 mil/mês.
A Pluri Consultoria divulgou o ranking dos treinadores mais bem pagos do Brasil.

Ok, técnicos disputados tem salários altos, o que já é discutido faz algum tempo. É o caso de Abel Braga, Muricy Ramalho, "Profexô" Luxemburgo, entre outros.

Mas pagar o que estão pagando para Gilson Kleina e Oswaldo de Oliveira, por favor né. E isso que o ranking para nos 300 mil. Tenho certeza que na faixa dos 200 mil deve ter muito absurdo também.

Segue a lista com grifos nos mais absurdos:



  1. Abel Braga (Fluminense) R$ 700 mil mensais – R$ 9,1 milhões anuais
  2. Luxemburgo (Grêmio) R$ 600 mil mensais – R$ 7,8 milhões anuais
  3. Muricy (Santos) R$ 600 mil mensais – R$ 7,8 milhões anuais
  4. Tite (Corinthians) R$ 600 mil mensais – R$ 7,8 milhões anuais
  5. Dorival Junior (Flamengo) R$ 450 mil mensais – R$ 5,85 milhões anuais
  6. Oswaldo de Oliveira (Botafogo) R$ 380 mil mensais – R$ 4,94 milhões anuais
  7. Cuca (Atlético-MG) R$ 350 mil mensais – R$ 4,55 milhões anuais
  8. Celso Roth (Cruzeiro) R$ 300 mil mensais – R$ 3,9 milhões anuais
  9. Gilson Kleina (Palmeiras) R$ 300 mil mensais – R$ 3,9 milhões anuais
  10. Ney Franco (São Paulo) R$ 300 mil mensais – R$ 3,9 milhões anuais


Especula-se que o técnico do Atlético, Ricardo Drubscky ganha algo em torno de R$30 mil mensais, e como crítico constante de Ricardo Drubscky (mesmo já tendo apontado alguns méritos dele), fica aqui a pergunta: valeria o gasto com um técnico mais "experiente"?

Ainda acho que é possível encontrar opção boas e baratas, de qualquer maneira, fica a reflexão!

SRN

---
Blog do Furacão no Facebook

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Os nomes do acesso do Atlético


- Cleberson, João Paulo, Elias, Marcelo e Baier, na minha opinião foram, cada um em seu determinados momentos, responsáveis diretos pelo acesso.

- Maranhão, Botelho, Weverton e Marcão, também ajudaram a decidir partidas complicadas, algumas ainda na "fase negra", no primeiro semestre. Botelho ainda fez outras partidas regulares, sem comprometer, já os outros três, falharam bastante em outras partidas.

Cleberson, "man of the match" na decisão.
- Segundo relatos dos próprios jogadores (quase todos), Jorginho foi "o cara que trouxe" todo esse "novo time" do Atlético, sendo assim, entra na lista dos responsáveis.

- Drubscky quando (re)assumiu, "ganhou" a estréia de jogadores importantes e manteve o esquema de Jorginho, e o time voou em campo. Depois, mudou, colocou seu estilo no time, que passou a ser mais instável, alternando jogos excelentes como contra São Caetano e Vitória, e jogos horríveis como contra Guarani e América-RN.

- Fora de campo, os erros da diretoria no futebol ficaram bem claros, mais tarde externados pela própria. Depois de um bom início com Carrasco e a "piazada", acharam que dava pra subir com o que tínhamos, e quando perceberam que não dava, correram atrás do prejuízo, mérito pra eles.

OOOOOOO, o Furacão voltou!

SRN


---
Blog do Furacão no Facebook

sábado, 24 de novembro de 2012

Porque Paulo Baier também é MUITO responsável pelo acesso

Simples, porque além de decidir partidas importantes quando o Atlético ainda tinha o fraco elenco do primeiro semestre, ele fez O GOL do acesso, na minha humilde opinião... e o gol foi esse aí:



E também porque...


e porque...


OOOOO, o Furacão voltou!

SRN

---
Blog do Furacão no Facebook

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Cobertura retrátil da nova Arena da Baixada ganha destaque

O site oficial o Atlético publicou um vídeo do projeto da cobertura retrátil da nova Arena, assinado pela empresa Carlos Arcos Arquitectura.


Segue o link da publicação: clique aqui para acessar.

O site Estadão também deu destaque para o diferencial da Arena após a reforma:

"Teto retrátil é o diferencial da Arena paranaense. Cobertura será aberta ou fechada em menos de 15 minutos; Atlético-PR banca reforma e ficará com os lucros do estádio" (acesse aqui)

[Reprodução: Info gráfico estadao.com.br]

---

Todos os problemas a parte, ficará sensacional hein!?

SRN

---
Blog do Furacão no Facebook

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Eleições a cada 4 anos no COB, eu apoio!

Está aí uma forma simples de "pressão popular" que pode ajudar o esporte brasileiro a sair das mãos dos mesmos "ditadores" que mandam e desmandam no COB, CBF, FPF e tantas outras federações e confederações que não fazem nada além de promover seus dirigentes.

A petição online pode atingir pouca gente, mas já é um começo, e eu apoio:



---
Blog do Furacão no Facebook

domingo, 4 de novembro de 2012

Os responsáveis pelo (quase) acesso

Marcelo, "o melhor tiriça de todos os tempos da última semana", está jogando demais na B.

Marcão, jogo sim jogo não acaba decidindo no melhor estilo Kleber Pereira, perdendo muitos pra fazer outros, mas decisivos, gols.

Weverton, com algumas poucas falhas tem sido decisivo também nesta reta final, salvando as cagadas da antes impenetrável zaga.

João Paulo é o jogador mais importante deste time, e ainda ajuda a decidir alguns jogos com seus chutes excelentes.

Elias quando está bem decide.

Paulo Baier quando entra decide.

Pedro Botelho foi a boa surpresa, após a contusão de Saci, chegou, vestiu a camisa, e com seu estilo meio "crazy dog" indo pra cima dos adversários não largou mais a posição de titular.

Maranhão, apesar de seguidas partidas horríveis poucas rodadas atrás, resgatou a arma dos cruzamentos pela direita.

Cleberson deu um mínimo de estabilidade para um setor que ficou menos protegido pelos esquemas dos treinadores, e pela fase não muito boa de Manoel e Deivid.



---
Blog do Furacão no Facebook

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

A motivação política/clubística regendo as decisões em torno da Copa do Mundo

Foto: arenacap.com
Impressionante como tudo que se decide sobre a Copa do Mundo em Curitiba, bem ou mal, sempre acaba mostrando motivação política ou clubística no final das contas.

Começando pelo próprio Atlético, que por meio da Diretoria utiliza termos como "os verdes", "os invejosos", "os traidores" como culpados por qualquer questionamento sobre as obras, sejam esses questionamento válidos ou não (mais aqui). Além disso, a irresponsabilidade em utilizar empresas relacionadas a familiares foi gigante. Não me interessa se é a melhor e mais barata, para esta obra, especificamente, não deveria ser feito assim (mais aqui).

O Governo Municipal e Estadual tenta falar e fazer o mínimo possível sobre o assunto, por medo da opinião pública e das urnas, sejam os projetos bons ou ruins para o interesse público. Inclusive tirando as discussões da pauta, temendo pressão dos vereadores num segundo turno que nem conseguiram chegar (mais aqui). No final, quando o estádio estiver pronto, posarão de autores da obra.

O Poder Legislativo fica na surdina esperando supostos escândalos para só aí se manifestar, e sempre representado por pessoas ligadas a um dos dois rivais curitibanos, sejam os escândalos verídicos ou absurdos. Tanto aprovações das leis, como também nos cortes aos ajustes das leis, as coisas foram feitas na base do interesse político/clubístico (mais aqui).

Até o Tribunal de Contas, que supostamente devia estar fiscalizando as obras "24/7", espera momentos (in)oportunos para fazer o máximo de barulho possível, e este representado até por integrante de Torcidas Organizadas. Parece um criança teimosa voltando no assunto "é dinheiro público ou não", quando deviam era analisar os meios utilizados na câmara de vereadores para beneficiar, com leis, o empreendimento com dinheiro PRIVADO (mais aqui e aqui).

A diretoria do Coritiba também adora falar do assunto, e numa aula de hipocrisia foi até a festa da torcida organizada, antes banida, falar em "tapa na cara do rival e do poder público" para anunciar uma pequena reforma em seu estádio. (mais aqui)

Por fim, boa parte dos torcedores parece cegar-se quando o assunto é Copa do Mundo. O bom senso desaparece, e todos com críticas e/ou opiniões contrárias viram inimigos mortais.

Muitos coxas acreditam com todas as suas forças que o Atlético manda na imprensa e no governo, que a diretoria está manipulando tudo e todos, numa enorme conspiração que visa desviar todas as verbas públicas e acabar com o time deles!

Muitos atleticanos acreditam que a imprensa e o governo é verde, que todos que um dia criticaram qualquer detalhe das obras é traidor e querem ver o mal do Furacão.

---

No final das contas, poucos analisam os verdadeiros interesses e qualidades do projeto, e a Copa do Mundo (e o futebol) viram um "meio" para o "fim": a política (o poder).

---

[Atualização - 5 de junho de 2013] - Alguns meses depois e a história continua a mesma, com integrantes de torcidas organizadas escalados para fiscalizar as obras da Baixada pelo TCU! Veja aqui!


---
Blog do Furacão no Facebook

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

A falta do tal do "bom senso"!


1. É impressionante a vontade com que vários torcedores e (pasmem) alguns jornalista demonizaram a torcida do Coritiba sem ao menos ler os detalhes do que aconteceu...

2. Impressionante também a ingenuidade e a falta de bom senso do pai da garota de 13 anos. Ele não era um "turista desavisado" ali, sabia onde estava, assistiu o jogo todo escutando o que a torcida fala sobre o outro time. Infelizmente (seria bom se não fosse como é hoje), devia ter pensando melhor ao deixar sua filha pedir a camisa de um jogador adversário.

3. Isso aconteceria em qualquer estádio do Brasil, inclusive na Arena da Baixada.

4. Ao ver a reação de alguns imbecis (desculpe o palavrão) agredindo o pai da menina, me peguei pensando: "normal né, olha o que a menina foi pedir"... Aí bateu o "click": Isso não pode ser normal, por favor, a falta de bom senso está imperando (com o perdão do trocadilho)! Nada, absolutamente NADA justifica as agressões dos marginais, precisamos refletir.

Turista de verde no Pacaembu,
5. O incidente do turista torcedor do Celtic na torcida do Corinthians exemplifica mais ainda esse sentimento de raiva e ódio acima de tudo que tomou conta das arquibancadas. Ok, o cara está de verde na torcida do Corinthians, mas chegar no nível de ser obrigado que ser retirado (da área VIP, pasmem) pra não apanhar, complicado. Repito, na Arena aconteceria o mesmo.

6. Sem querer ser saudosista, mesmo porque não tenho idade suficiente pra ser. Mas 5 anos atrás eu podia ir (e fui) a Arena com meu primo, torcedor do Internacional, vestindo a camisa colorada (isso porque as torcidas (des)organizadas não eram inimigas). Chegando na entrada cada um ia pro seu lado e, ganhando ou perdendo, nos encontrávamos depois do jogo para ir juntos para casa. Hoje, se fizer isso, nós dois seríamos agredidos.

7. Gritar, xingar, espernear, dentro do estádio... SIM! Cuspir, agredir, brigar, dentro ou fora do estádio... NÃO! O limite é claro e nítido pra qualquer um, basta ter BOM SENSO (e um pouco de bom humor)!

8. Um relato excelente do que aconteceu ontem no Couto Pereira feito por um coxa-branca: Cusparada, agressão, choro e a polícia imóvel. O absurdo no Couto por quem estava lá

Segue o vídeo do episódio do Couto Pereira

Assistam sem som para não escutar o idiota do Neto falando merda.


Ps.: Mauro Cezar Pereira, da ESPN Brasil, lembrou bem (via twitter) que a mesma polícia que deu tiros na torcida do Atlético em 2011 por apenas protestar contra a arbitragem, ontem não fez absolutamente nada para proteger a menina e o pai que estavam sendo agredidos. Segue o vídeo do que que aconteceu na Arena da Baixada em 2011.




---
Blog do Furacão no Facebook

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Atlético deverá receber R$100 milhões a menos que Corinthians e Flamengo das cotas de TV, em 2015


Vários jornalistas vem dizendo que os cartolas do futebol estão em conversas adiantas com a TV Globo para acertar um grande aumento nos valores dos contratos de direitos de transmissão para o triênio 2015/2018.

Após o fim do "Clube dos 13", os contratos foram todos revistos, e para este ano de 2012 os valores já aumentaram bastante com relação aos contratos anteriores.

Ainda divididos de forma semelhante aos "grupos" do Clube dos 13, os clubes são (mais ou menos) separados em 5 grupos, sendo que o Atlético está no Grupo 4.

A diferença do Grupo 1 para o Grupo 4, que já era grande (3x) na época do Clube dos 13, manteve a proporção, se transformando em um abismo neste ano.

[valores aproximados]


As especulações para o triênio 2015/2018 falam em um aumento gigante de mais ou menos 70%, e considerando que todos os grupos "ganhem" esse aumento proporcional, o abismo ficará ainda maior.

Desde maneira, em 2015, a diferença entre o Grupo 1 (Atlético) e Grupo 4 (Corinthians e Flamengo), que hoje já está na casa de R$60 MI, chegará na casa de R$100 MI.

Evolução das cotas de televisão 2012-2015.
Se hoje o futebol Brasileiro já está ficando "menos equilibrado", a tendência é que isso só piore, e num futuro próximo veremos 3 ou 4 clubes disputando todos os título nacionais.

Europa

Muitos falam mal desse quesito nos Campeonatos Europeus, onde 4 clubes, no máximo, disputam todos os títulos temporada após temporada. Então vamos fazer um comparativo com a Premier League, a maior liga de futebol do mundo em faturamento, onde também se discute o aumento das diferenças nas cotas de TV entre os clubes.

Na Barclays Premier League a posição de cada clube no campeonato ajuda a calcular a receita de televisão. Por isso, na temporada 2011/2012, o Wolfes FC (último colocado) recebeu 65% do que o Manchester City (primeiro colocado) recebeu. Da mesma forma que acontece no Brasil, outros fatores ajudam a compor a receita dos clubes, mas aí dependem mais da competência dos donos dos clubes (patrocínios e transferências).

[fonte: sportingintelligence.com]

Se mesmo com a diferença muito abaixo da brasileira nas verbas de televisão, o título é sempre disputado por poucos, imaginem como ficaria com diferenças gigantescas...

Futuro

Sem grandes mudanças no panorama atual, clubes como o Atlético terão extrema dificuldade para se manterem disputando títulos nos campeonatos nacionais.

Com a Copa isso deve ficar ainda mais evidente, já que os diferenciais dos clubes mais "organizados" faziam a diferença.

No caso do Atlético, mesmo com menos dinheiro que os clubes "do eixo", a infra-estrutura e a organização vinha fazendo a diferença, equilibrando a diferença econômica com a competência. Mas agora com a Copa, mesmo os clubes mais desorganizados estão se obrigando a se estruturar, com centros de treinamentos e novas arenas para jogo.

Enfim... temos que criar novos diferenciais, e para equilibrar uma diferença financeira muito maior...

---

Mais sobre o assunto:

"O abismo aumenta", coluna de Paulo Vinícius Coelho no Estadão.

"Especial: Dívida dos clubes brasileiros bate em R$ 3 bilhões" - Diário LanceNet!

"Premier League TV rights Q&A, including where the money goes and what next" - sportingintelligence.com


SRN

---
Blog do Furacão no Facebook

terça-feira, 4 de setembro de 2012

Depois de começo meio "torto", Atlético vira contra retranca do Boa Esporte

Valeu, São Pedro!
Direto ao que interessa: faltam 10 vitórias!

Agora um pouco sobre o jogo...

Esquema "torto"

O time entrou meio torto em campo, não sei se por orientação do treinador interino ou por falhas de posicionamento dos jogadores. Mas o fato é que até uns 15 minutos de jogo o Atlético jogava num 4-4-2 meio torto, com Henrique jogando aberto pela direita (onde sempre joga), Felipe mais no centro do que na esquerda e Elias como segundo atacante muito próximo de Marcão.

E nessa "tortura" toda (Rá), Naldo falhou bizonhamente e o Boa abriu o placar. Como também não criamos nada, Felipe, que errou tudo que tentou, saiu para a entrada de Marcelo. Aí sim voltando para um 4-2-3-1 com dois meias bem avançados e Elias fazendo a meiuca.

Retranca

Se mesmo empatado o time mineiro já estava retrancado, depois do gol ficou ainda mais atrás. O jeito foi tentar abrir as jogadas pelas laterais numa tentativa de abrir a defesa dos caras, por isso acertou Drubscky ao colocar Marcelo, ainda no primeiro tempo.

Arriscar ou não

No intervalo Drubscky sabia que precisava arriscar mais, e isso significava não tirar Elias do time para entrada de Baier, como costuma acontecer. A dúvida ficou entre Deivid e João Paulo.

Deivid marca melhor, mas tem constantemente errado o passe seguinte a roubada de bola, além de ter péssima qualidade nos chutes.

João Paulo não rouba tantas bolas como Deivid, tem um passe mediano, mas arrisca mais, e tem um chute ótimo.

Eu tiraria Deivid...

Gols

Contra um time retrancado os gols constumam sair assim, pelas laterais ou em bolas paradas. Foi o que aconteceu, e Pedro Botelho pra mim foi o melhor em campo por isso.


Marcelo fez bem o papel que costuma fazer nas jogadas pelo lado oposto do que joga: fechar na diagonal, como na excelente antecipada no zagueiro no lance do primeiro gol. Mas quando as jogadas são pelo lado dele, ele carrega bem a bola, tem velocidade, mas na hora de finalizar/passar sempre erra, impressionante.

Público

Quase 4 mil pessoas, numa terça-feira a tarde, contra o Boa Esporte, na Série B... EXCELENTE!

Piores

Naldo - falha bizonha no gol adversário
Henrique - errou demais;
Felipe - errou mais ainda;
Marcão - não fez gol (matador caneleiro se não faz gol é pior em campo)

Melhores

Pedro Botelho - técnico, rápido, bons passes;
Maranhão - extremamente regular;
Marcelo - pelo oportunismo, pela velocidade e pela antecipada no primeiro gol.

SRN (faltam 10)

---
Blog do Duune no Facebook
Camisas do Furacão com preços acessíveis!

sábado, 1 de setembro de 2012

Ricardo Drubscky deu sua cara ao time (e estragou)

Teorias.... e a prática?
Jorginho pediu um time inteiro novo, a diretoria trouxe, mas um jogo antes de conseguir com que seu time inteiro novo jogasse, Jorginho foi embora, talvez por falar demais, e falou...

Assumiu Drubscky, com o aval da boleirada...

Por ter bom senso, o novo treinador manteve o esquema preferido de seu antecessor, que vinha sendo preparado pra ser implementado. Com o time inteiro novo, contratado especificamente pra esse esquema, funcionou na hora.

Um 4-2-3-1, com laterais subindo para apoiar os pontas, meia distribuidor, volante que sabe fazer a transição, e um veterano decisivo no banco, o interino vence quatro seguidas...

"Bom, agora que venci quatro, estou com moral, vou começar a colocar minha cara nesse time" deve ter pensado o interino...

"Que medo!", eu disse durante a semana.

Pois é, o time que vinha evoluindo mudou, contra Joinville e Ipatinga, só jogou quando precisou correr atrás do resultado.

Laterais agora sobem só na boa, os pontas seguram mais na marcação, o meia distribuidor da lugar a outro, carregador de bola e sem ritmo, o veterano decisivo sai do banco, e o atacante que perde 10 gols em 3 jogos fica 90 minutos em campo todos os jogos.

Agora, o novo elenco bom pra Série B espera tomar o gol pra jogar bola, burocracia pura, coisa de teórico mesmo...

Esse é Ricardo Drubscky, o teórico que continua NÃO servindo pro Atlético.

O problema é que agora é tarde, e se não for com o interino, iremos com quem?

O jeito é torcer pra "nova" diretoria de futebol manjar mais de futebol do que a antiga, por que quando as coisas começam a complicar, já sabemos que escala o time...

Ipatinga 1 x 1 Atlético-PR

Acorda Drubscky, esse time precisa correr riscos, mas oferecendo perigo ao adversário!

SRN

---
Blog do Duune no Facebook
Camisas do Furacão com preços acessíveis!

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

CBF, comissão de arbitragem e árbitros amadores


Emerson Augusto de Carvalho
A maneira com que a CBF e a Comissão de Arbitragem tratam os árbitros vai contra os próprios árbitros.

As punições públicas sem explicar os motivos deixam todos livres pra pensar o que quiser sobre o que está certo ou errado na regra, que em muitos casos é subjetiva e deixa a interpretação do lance aberta ao juiz. A "blindagem" dos árbitros com relação a entrevistas e aparições públicas distância eles da figura da pessoa, de humano mesmo.

O resultado disso é execração pública de um árbitro que errou (e errou feio) em um, e apenas um lance, numa partida de alta visibilidade.

O presidente da CBF ignora todas as ierarquias e puni o rapaz prontamente, sem saber se ele já estava escalado para algum outro jogo. E já estava, na Sul-americana. E como já estava escalado, apitou!

Aí o cara acerta (e muito bem) num lance difícil, e TODOS os jogadores partem pra cima do "coitado", que está sem credibilidade alguma, já que foi execrado pelo presidente da CBF.

E assim segue... num esporte que movimenta dinheiro na casa dos bilhões, os árbitros ainda são, literalmente, amadores! Pode isso Arnaldo?

---

Veja os lances de Santos e Corinthians:


Veja os lances de Coritiba x Grêmio



---

Leia mais:

Auxiliar afastado pela CBF acerta lance crucial, mas quase é agredido por jogadores do Coritiba

Os recorrentes erros de arbitragem deste Brasileiro foram tema do Linha de Passe desta semana

Marin demite Sérgio Correa da Comissão de Arbitragem


---
Blog do Duune no Facebook
Camisas do Furacão com preços acessíveis!

A incompetência dos clubes cariocas

...neste caso, do Botafogo!

Isso não é um elogio a torcida do Atlético-PR, mesmo porque, pra mim a presença de público em Paranaguá foi muito abaixo do que poderíamos fazer.

Mas ontem, após ver o público na partida entre Botafogo e Palmeiras, pela Sul-americana, com o craque Seedorf em campo, a comparação foi inevitável.

O Furacão, jogando a Série B, a 100 km longe de sua cidade, está com uma média de público ridúcula de mais ou menos 2500 pessoas por jogo. Contra o Criciúma, na última rodada, foram cerca de 4000 torcedores.
Jogando em Paranaguá o Atlético teve uma média baixa de público.
O Botafogo, tratado como um dos grandes clubes do Brasil, jogando uma competição internacional, com o craque Seedorf em campo, jogando em seu estádio, um dos mais modernos do país, contra o Palmeiras, colocou 2434 pagantes! Nos últimos jogos, a média dos alvi-negros na Série A é de pouco mais de 4000 torcedores. Bizarro né!?

O efeito Seedorf passou em 3 rodadas.

Pra galera que se conforma com o discurso (que é válido) de "temos muito menos dinheiro, não tem como bater de frente com os clubes do eixo assim", esse é um exemplo de onde podemos fazer diferença.

#FicaDica

SRN

---
Blog do Duune no Facebook
Camisas do Furacão com preços acessíveis!

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

As opções de Drubscky para o Atlético contra o Criciúma

João Paulo fez falta contra o Asa.
Heracles, Deivid, João Paulo e talvez Zezinho são as novas opções que Drubscky terá para a partida de sábado, contra o líder Criciúma.

Heracles todos já conhecemos, pode voltar a titularidade, já que Pedro Botelho teve uma estreia bem meia-boca, ou seja, perigo a vista na esquerda, pela avenida Heracles. Menos mal que a esquina da avenida com a rua Bruno Costa foi bloqueada por Cleberson, que vem muito bem como zagueiro.

Deivid pode voltar e entrar no lugar de Derley, que desde a sua estreia vem melhorando um pouquinho (e bem pouquinho) a cada jogo. Hoje, prefiro Deivid, pela marcação. Derley aparece mais como opção quando temos a bola, mas quando recebe tem passe e chute igual ou pior do que Deivid.

João Paulo é o grande retorno. Na partida contra o Asa foi nítida a falta que o volante fez na transição entre defesa e ataque. Ainda falta ele acertar os chutes que costumava acertar nos clubes que passou, mas ainda terá tempo pra isso, quem sabe contra o Criciúma ele acerta um de fora da área...

Zezinho, obviamente, deve ir para o banco, já que não joga faz tempo. E vai ter que brigar pra conquistar um lugar no time. Com Carrasco ia muito bem, mas como segundo volante, num time que não visava a criação de jogadas pelo meio, onde teoricamente é a dele. Ou seja, era um ótimo coadjuvante. Agora, quando tiver oportunidades, será como meia aberto, no lugar de Felipe ou Henrique, já que pro lugar de Elias, centralizado, temos Baier e Liguera. Vamos torcer para que possa vingar por ali.

Zezinho volta de muito tempo parado.
Cornetada

Daria mais uma chance para Pedro Botelho, já que Heracles já conhecemos bem...

Manteria Deivid no banco pela falta de ritmo...

Enfim, meu time pra sábado seria: Weverton; Maranhão, Manoel, Cleberson, Pedro Botelho; Derley, João Paulo; Felipe, Elias, Henrique; Marcão.

SRN

---
Blog do Duune no Facebook
Camisas do Furacão com preços acessíveis!

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Paulo Baier já "ganhou" 9 dos 26 pontos do Atlético

Desde o início do ano passado insisto que Paulo Baier pode ser muito útil para o Furacão, mesmo sem ser titular, e não deve ser mesmo, salvo casos de necessidade, por contusão ou suspensão.

Entrando no segundo tempo, o "Maestro" costuma sobrar em campo, ainda mais na segunda divisão, onde a entrega física é muito grande desde o início do jogo, deixando os jogadores exaustos a medida em que o tempo passa.

Foi assim ontem, quando Drubscky "acertou errando", colocando Baier (acertou) tirando Elias (errou). O "velhinho" sobrou no meio, inclusive com algumas arrancadas em direção ao gol, e em uma das 3 jogadas que ele criou com bola rolando, Liguera, que também entrou bem, escorou para Paulo Baier colocar no cantinho tirando tranquilamente do goleiro.

Esse foi o terceiro jogo em que o "Maestro" decidiu para o Furacão. Não lembra de outros? Então segue os lances:

Atlético 1 x 0 Ipatinga pela segunda rodada (atrasado) - 10/07/2012

Atlético 3 x 0 Barueri pela quarta rodada - 01/06/2012
Atlético 1 x 0 ASA pela décima sétima rodada - 14/08/2012

Gostando ou não, não tem como negar que, com esse elenco, o velhinho pode ajudar.

SRN

---
Blog do Duune no Facebook
Camisas do Furacão com preços acessíveis!

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

[Arena da Baixada] Potencial Construtivo não é dinheiro público

[Foto: ArenaCAP.com.br]
Trecho retirado do artigo "Potencial construtivo", de Rodrigo Barp: (artigo completo neste link):

"Potencial construtivo é possibilidade de comercialização, pelo proprietário de um imóvel, do direito de construção para além da metragem permitida pela legislação municipal de zoneamento e uso do solo urbano...

...Na prática, o poder público municipal, por meio da legislação específica, determina zonas urbanas especiais, visando preservar o patrimônio histórico, o meio ambiente ou de interesse social relevante...

...Quem tem direito de construir, mas cujo imóvel esteja gravado com essas características especiais, pode vender seu direito a um terceiro, e reverter a receita ao restauro, conservação e preservação...

...existente desde 1982, mas pouco explorada, visa à preservação de imóveis de interesse arquitetônico, paisagístico e ambiental, bem como para a implantação de equipamentos comunitários e programas de habitação social...

...A partir de 2010, a TPC será estendida aos clubes esportivos e recreativos, dado o fato relevante da necessária obra de adequação do Estádio Joaquim Américo (Arena da Baixada) aos encargos da Fifa, para que a cidade possa sediar os jogos da Copa do Mundo em 2014..."

---

O dinheiro que será arrecadado a partir do Potencial Construtivo utilizado como garantia na ampliação da Arena da Baixada não existiria se a obra não existisse. E a partir do momento que ele existe, não iria para os cofres públicos, e sim para o proprietário que o comercializa, ou seja, não é dinheiro público!

Questionar as mudanças nas leis que credenciaram o Atlético a utilizar o Potencial Construtivo é uma coisa, válida por sinal. Mas afirmar que o estado está bancando as obras é falta de informação, e no caso dos jornalistas, incompetência ou má fé!

---
Blog do Duune no Facebook
Camisas do Furacão com preços acessíveis!

quarta-feira, 8 de agosto de 2012

4-2-3-1, eu avisei!

Como o título já diz, eu gosto do 4-2-3-1, e ontem o Atlético mostrou que o esquema é promissor com esse elenco. (4-2-3-1, eu avisei!)

No início do ano eu defendia o 4-3-3, pelas qualidades do elenco. Cheio de atacantes rápidos que gostavam de jogar pelas pontas, com poucos meias de qualidade e sem laterais minimamente qualificados, o esquema favorito do então técnico Carrasco era o que melhor podia ser feito com o que tínhamos. Corremos muitos riscos, o que fez a diretoria "obrigar" Carrasco a mudar, aí a coisa desandou.

Veio Jorginho, e com ele um time inteiro de reforços que mudaram completamente o perfil do elenco. Hoje temos 5 meias que podem disputar posição: Paulo Baier, Liguera, Felipe, Elias e Henrique. Ainda temos Harrison correndo por fora. Atacantes, vendemos os melhores (ou menos piores) e trouxemos Marcão, um "Bruno Mineiro sem uruca". Então porque não explorar essa nova qualidade do elenco, formando a já famosa linha de 3 meias armando as jogadas pro atacante centralizado, e chegando pra concluir?

Pois é, com a estreia de Elias como titular isso aconteceu, e o Atlético voltou a jogar um bom futebol, pelo menos no primeiro tempo.

O jogo

Com Felipe e Henrique abertos, com Elias centralizado, e João Paulo e Derley se revezando nas subidas, o Atlético dominou o meio-campo durante praticamente todo o primeiro tempo.

Ok, até aí tudo perfeito.

Mas no segundo tempo um possível problema futuro ficou evidente: e sem Elias, como fazer?

Felipe foi pro meio, e participou bastante da partida, apesar de errar MUITO. Henrique até tentou, e na única jogada que conseguiu dar sequência deixou Marcão na cara do gol pra matar o jogo.

Entrou Ricardinho, e como sempre foi um DESASTRE. Marca mal, faz faltas constantemente, não finaliza bem, erra passes bobos... enfim, só atrapalha.

Ontem, pela formação do banco, Marcelo seria a melhor opção, e ele entrou depois, no lugar de Henrique.

Cornetada

Terão casos em que manter a formação com 3 MEIAS será importante, aí podem entrar Paulo Baier ou Liguera, fazendo a "meiuca" que Elias estava fazendo.

Lembro bem de ter falado que Paulo Baier ainda poderia ser útil neste ano, e aí está a função que ele pode exercer.

Melhores do jogo

Maranhão, Elias e Weverton



Ps.: impressionante como laterais bons fazem diferença depois de sofrermos com vários horríveis.

---
Blog do Duune no Facebook
Camisas do Furacão com preços acessíveis!

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Os três atestados de incompetência assinados pela diretoria do Atlético em 2012

Sandro Orlandelli e Renan Teixeira
não deixaram saudades...
Primeiro (episódio Sandro Orlandelli e Juan Ramón Carrasco)

A demissão do então Diretor de Futebol Sandro Orlandelli junto com a da comissão técnico liderada por Juan Ramón Carrasco foi o primeiro atestado de incompetência assinado pela atual diretoria do Furacão.

Assumiram o erro (oficialmente, mais tarde com a declaração de Mário Celso Petraglia a uma rádio de fora) em apostar na base formada por jogadores formados dentro do clube, com algumas contratações pontuais indicadas por Carrasco, e eliminando quaisquer resquícios de jogadores "da diretoria anterior" (apenas Paulo Baier foi mantido).

Segundo (Ricardo, o Drubscky)

Demitir/Rebaixar o recém contratado Ricardo Drubscky, após mais uma aposta no "barato", que novamente mostrava que ia sair caro.

Jorginho falou muito, mas pouco
mostrou, no pouco tempo que teve.
Terceiro (Jorginho "prancheta murcha")

Demitir Jorginho após 9 jogos, 11 contratações (quase todas indicadas pelo então treinador), e na partida que marcou a estreia dos últimos reforços. Foi praticamente um "valeu pelas indicações, agora deixa que nós tocamos com o que temos"...

---

Moral da história

O barato novamente saiu caro. Desde o início do ano a torcida cobrou contratações melhores, e enquanto um mínimo de vontade de ofensividade foi apresentado, todos tiveram calma.

A partir do momento em que apenas o discurso "bonito" sobrou, as cobranças voltaram, e com razão. E nos momentos de cobrança, a diretoria se perdeu.

Se meteu em escalação de treinador, contratou e demitiu técnico em menos de duas semanas, e mudou completamente tudo o que foi feito no primeiro semestre (até as poucas coisas boas) pra trazer um mar de jogadores campeões de Série B, mas que numa Série A fariam o time cair novamente.

E é sempre importante lembrar que, tudo isso com o mais orçamento da competição.

Admitir a possibilidade de não subir este ano é assumir a completa incompetência no futebol.

Se não sabe, não quer e não gosta, não se meta a fazer.

SRN

---
Blog do Duune no Facebook
Camisas do Furacão com preços acessíveis!

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Os desfalques que mais preocupam: os laterais

4-2-3-1 é O esquema!
Desde a contratação de Wellington Saci e Maranhão, minhas expectativas com relação ao acesso aumentaram bastante. Não devido a "grande" qualidade dos dois laterais que chegaram pra vestir a camisa titular, mas devido as deficiências de seus antecessores em atacar.

Heracles surgiu como lateral rápido, que avança, mas já mostrou que não tem poder de definição. Até chega próximo da área, mas na hora do passe ou do chute, erra sempre. E defendendo não precisa nem falar nada, virou a já famosa avenida Heracles.

Gabriel Marques chegou dizendo que é praticamente um zagueiro, e não mentiu. Jogou anos formando o lado direito da primeira linha de 4 de um 4-4-2 clássico, onde os laterais não sobem nunca. Defendendo tem suas qualidades, mas atacando, zero.

E em jogos de Série B, com os campos horríveis, marcação pesada e falta de criatividade no nosso meio campo, as subidas dos laterais se tornam a melhor alternativa para as jogadas ofensivas.

E foram justamente as jogadas de ultrapassagem com os novos laterais que me empolgaram no início da partida contra o ABC, finalmente uma alternativa para a falta de criatividade no meio.

Pois é, mas logo isso mudou. Com a contusão de Wellington Saci, o lado esquerdo já ficou totalmente comprometido, com Heracles e Bruno Costa (o "Chama Gol") alterando a titularidade por ali. Maranhão continuou subindo, mas sem ajuda, já que baixou o Adilson Batista no Jorginho, e ele resolveu escalar 3 volantes, as vezes com o melhor deles, João Paulo como principal marcador.

Teoricamente, a chegada dos novos meias Henrique, Felipe e Elias deve ajudar nesse sentido, mas agora Maranhão também se machucou. Ou seja, novamente vamos de Heracles e Gabriel Marques, complicou!

O jeito será dar liberdade para os meias e atacantes abrirem pelas laterais, e quando isso acontecer João Paulo deve preencher a posição de meia, arriscando seus bons chutes por ali.

Vamos torcer!

---

Meu 11 para sábado, no esquema que eu mais gosto, o 4-2-3-1:

Weverton; Gabriel Marques, Manoel, Cleberson, (improvisa profexô), Derley, João Paulo; Felipe, Liguera, Henrique; Marcão.

SRN

---
Blog do Duune no Facebook
Camisas do Furacão com preços acessíveis!

sábado, 28 de julho de 2012

Felipe, Elias e Marcão completam o novo time do Furacão na temporada

Depois de passar o primeiro semestre todo acreditando no "vai com a piazada mesmo", a diretoria percebeu que o time não engrenou e saiu pra contratar um time inteiro novo em menos de um mês.

E com Jorginho o novo lema é "Série B se ganha com time de Série B". Assim vieram: Weverton (antes), Maranhão, Wellington Saci, João Paulo e Derley. Desses, vejo apenas João Paulo com um bom futuro no clube na Série A, talvez Derley também, mas tem que provar.

Faltavam jogadores ofensivos, e nesse semana foram confirmados os meias Felipe e Elias, além do atacante Marcão. Mais três excelentes nomes pra Série B. Pra futuro, na Série A, tem que provar muito.

De qualquer maneira, a história se repetiu, o barato saiu caro novamente, e agora é correr atrás do prejuízo com o bom time que estamos formando. A baixíssima qualidade técnica dos adversários na Série B permite qualquer clube remontar equipes dentro da competição com chances até do título, então vamos torcer!

Sobre as contratações, segue alguns momentos de cada um:

Felipe (meia)


Elias (meia)


Marcão (atacante)


---
Blog do Duune no Facebook
Camisas do Furacão com preços acessíveis!

quarta-feira, 25 de julho de 2012

Histórico de Wilton Pereira Sampaio nas partidas do Atlético

Acostumado a meter a mão no Atlético
Wilton Pereira Sampaio apita a partida contra o Guarani, em Campinhas, no dia 28 de julho, pela Série B 2012. Vamos ao histórico:

17 de Maio, Brasileiro 2009 - São Paulo 2 x 2 Atlético-PR:

- Pênalti não marcado em Marcinho aos 3 minutos;

- Aos 45 do segundo tempo, Washington recebeu pelo alto, domina com o braço a bola, que sobra pra Borges, que cruza para André Lina, em impedimento, empatar a partida no último minuto.


2 de Maio, Copa do Brasil 2012 - Atlético 1 x 0 Cruzeiro:

- usou dois critérios completamente distintos nas marcações de faltas durante toda a partida, deixando o jogo correr a favor do Cruzeiro e travando o jogo constantemente nas jogadas do Furacão.

- não expulsou Roger em uma cotovelada que deu em Deivid.


Então, expectativa de arbitragem complicada em Campinas.

SRN

sexta-feira, 20 de julho de 2012

Ficando com cara de time

Jorginho chegou falando em fazer um TIME e repetir a formação.

Com os reforços isso já virou realidade, e o provável Atlético de cada jogo já pode ser pelo menos imaginado pelos torcedores, com uma ou duas mudanças eventuais.

E pra próxima partida, devem entrar Derley e Liguera... boa Jorginho!

Baier, que na minha opinião pode ser útil, desde o início do ano já mostrava que o banco seria seu lugar em 2012.

Deivid, machucado, pode perder definitivamente a posição, caso Derley seja 60% do que falam que é. Isso porque mesmo sendo um excelente destruidor, Deivid não é o cara pra ser o elemento surpresa que João Paulo, por exemplo, pode ser.

O time deve ser: Weverton; Maranhão, Manoel, Cleberson e Wellington Saci; Derley, João Paulo e Martín Ligüera; Marcelo, Ricardinho e Tiago Adan.

E neste time, só trocaria o fraco Ricardinho por Taiberson.

SRN

---

Previsão do tempo

Sábado (21 de julho) será um dia de tempo aberto, com sol forte e uma chuva de gols! Mais dois motivos para os sócios descerem para Paranaguá!

terça-feira, 17 de julho de 2012

Diferenças de receita nos clubes brasileiros

Nesta semana o Atlético anunciou seu novo patrocinador "master", a Caixa Econômica Federal.

Informações não oficiais apontam o valor anual da parceria: R$4 milhões / ano (fonte: furacao.com)

Imediatamente lembrei de uma reportagem que mostrava a dificuldade dos clubes de maior torcida no país em encontrar um patrocinador que pague o que pedem.

Estão aí os valores (fonte: globoesporte.com)

[Fonte: GloboEsporte.com]
Enquanto o Furacão briga pra conseguir um patrocínio estatal na casa de 4 milhões, o Corinthians nega proposta de 25 milhões. E, proporcionalmente falando, essa diferença é menor do que diferença nas receitas de televisão, por exemplo!

Temos que fazer mágica pra brigar de igual pra igual. E essa mágica depende diretamente da quantidade de sócios que o clube possui.

Cabe ao clube facilitar essa associação, com bons times e planos que atinjam uma maior quantidade de pessoas, e aos torcedores comprarem a ideia!

Sem criar esse "diferenciais" para tentar superar o abismo financeiro entre os clubes, o futebol brasileiro vai ficar igual o espanhol, com 2 ou 3 clubes disputando todos os títulos.

E o endividamento continua...


SRN

---

Mais sobre o assunto:
E eles querem mais
Cariocas puxam a fila, e dívida dos clubes brasileiros sobe 19% em 2011

quarta-feira, 11 de julho de 2012

Como fica o time com a "nova defesa" recém contratada


João Paulo chega pra jogar.

Um time de "defensores" chegou nos últimos dias no CT do Caju.

O zagueiro Renato Chaves, os laterais Maranhão e Wellington Saci e o volante João Paulo.

Deles, apenas Renato Chaves chega para compor, os outros três chagem para jogar.

Nem vou comentar sobre o planejamento mal feito (ou falta dele) para a temporada. Neste momento prefiro pensar "antes tarde do que nunca"!

E como deve ficar o time com os reforços (e também com os jogadores que hoje estão no DM)?

Eu treinaria um 4-2-3-1, com a seguinte formação: Rodolfo; Maranhão, Manoel, Cleberson e Saci; Deivid e João Paulo, Zezinho, Paulo Baier e Harrison; Tiago Adam.

Maranhão chega pra atacar.
Ricardinho e Marcelo perderiam as vagas no time, muito em função dos novos laterais, que sobem muito mais ao ataque, permitindo jogadas de ultrapassagem e abrindo mais espaço no meio campo.

E pra fazer essas jogadas de ultrapassagem nas alas precisamos de qualidade no passe, o que Zezinho e Harrison podem oferecer, com sobras.

Isso fará com que Deivid e João Paulo constantemente tenham que cobrir as laterais, não subindo muito. Também ajudar a deixar Paulo Baier com mais espaço no centro do gramado, com Harrison e Zezinho fazendo as jogadas tanto pelo meio como pelas alas, quando os laterais subirem.

Mas esse esquema não dará certo caso Zezinho e principalmente Harrison não ajudem na marcação quando o time não tiver a posse da bola.

Enfim, essa é mais um opção que Jorginho terá com os novos reforços.

SRN

domingo, 8 de julho de 2012

Um jogo, dois times

Considero que ontem, contra  América-MG, foi verdadeira estréia de Jorginho no comando rubro-negro.

O novo técnico teve a semana toda pra trabalhar, testou diversas formações e jogadores, e no final chegou a inexplicável solução de entrar com 5 zagueiros, 1 voltantes, 1 Alan Bahia (posição especial que só o CAP possui), 1 meia e 2 atacantes, num bizarro 5-2-1-2, onde Manoel era mais ala que Gabriel Marques, Ricardinho mais ala que Bruno Costa, e ninguém se encontrava na confusa defesa. Custou a derrota.

No segundo tempo, mudou o time pra como devia ter entrado, ou perto disso. Tirou a "Alambique" Bahia colocando Marcelo, que sempre entra com muita velocidade, levando sempre muito perigo. Empatamos, provando o que sempre digo: "TODOS os times da Série B são MUITO fracos".

Pois é, mas o time cansou, principalmente Paulo Baier (impressionante o que correu o velhinho). Mas aí apareceu outro erro de Jorginho. Num time com apenas um meia, de 37 anos (é isso?), o treinador não escalou um meia sequer no banco!

Aí ficou difícil, e numa bola espirrada no meio, a pelota sobrou para o América-MG, dentro da área: caixão!

Mais uma derrota. Mais uma partida em que, mesmo com um time fraco, podíamos ter vencido, e devido aos próprios erros, de treinador e elenco, perdemos.

SRN

segunda-feira, 2 de julho de 2012

"William Batoré e o Atlético", um conto "meio que" verídico


"Foi em 2009, ano em que o Avaí fazia uma boa campanha no Campeonato Brasileiro, e o Atlético seguia ano apoś ano brigando contra o rebaixamento.

Era dia 31 de outubro, mesmo preocupados com o possível rebaixamento e dois jogos depois de ver, "in loco", o Coritiba nos vencer por 3 a 2, fomos eu e meu pai pra Floripa ver o Furacão enfrentar a surpresa que tinha acabado de subir da Série B, o Avaí do técnico Silas.

Não jogávamos nada, e o Avaí abriu o placar logo cedo. Foi um dos piores jogos naquele ano, com o time sem vontade, sem raça, sem qualidade alguma, e com o Delegado pouco podendo fazer no banco. Pra completar a lambança, aos 34 minutos do segundo tempo, Willian Batoré (caneleiro, pangaré e ex-verde) recebe um cruzamento da direita e emenda uma bicicleta sensacional: golao, 2 a 0, cachão fechado.

Foi quando meu pai me olhou, meio que rindo pra não chorar, e disse: "Esse Willian Batoré seria uma boa no nosso ataque hein". Eu nem esperei ele se explicar e mandei: "O dia em que Willian Batoré for solução pro nosso ataque eu desisto..."

---

Segue alguns gols importantes do Willian pelo Avaí:



---

Pois é, e segundo a jornalista Nadja Mauad, Willian Batoré pode ser o novo reforço do Furacão pra SÉRIE B 2012. E PIOR, pode ser a SOLUÇÃO!

QUE FASE!

Ah, e eu não desisti!

SRN

---

Referências: Furacao.com e Blog da Nadja.

quarta-feira, 20 de junho de 2012

Semanas decisivas


Gigante do Itiberê, com gramado péssimo

Durante este primeiro semestre, não foram poucas as vezes que "a ficha caiu": vamos jogar a Série B. E aquele sentimento de tristeza, misturando com indignação voltava. Depois de um tempo, já "conformado" com a idéia de que teremos que disputá-la e pronto, passei a tentar a enxergar algo de positivo nisso tudo, aí pensei: pelo menos esse ano vai ser "mais tranquilo", com adversários fracos, devemos subir com facilidade.

Pois é... não é o que vem acontecendo.

E pior, o cenário do Furacão para as próximas semanas é complicadíssimo:

- Jogando um futebol de baixíssimo nível na Série B, desde a partida contra o Joinville o Atlético não mostra organização ou qualidade que indique um caminho melhor no campeonato.

- Saiu Carrasco, perdido em meio as bizarras ingerências da diretoria em seu trabalho.

- Por eliminação, vem Ricaro Drubscky, estudioso do futebol, mas sem sucesso na prática que o credencie a trabalhar no Furacão. Pra piorar, seu discurso é clássico de técnico perdedor.

- Nos mudamos para Paranaguá, muito pela falta de capacidade e investimento da diretoria em conseguir um acordo com Paraná ou Coritiba, além da cabeça dura dos rivais tocando o assunto. E a "nova casa" tem tudo que um time fracassado deve ter na Série B, estrutura ruim, poucos torcedores e gramado horrível.

- E a preocupação aumenta analisando os próximos adversários do rubro-negra: Ceará (fora), Bragantino (em Paranaguá) e América-MG (fora). Serão 9 pontos disputados para definir se encostamos na parte de cima ou na parte de baixo da tabela.

Enfim, vamos torcer... e muito!

SRN

segunda-feira, 18 de junho de 2012

A péssima estreia de Ricardo Drubscky

Gramado horrível em Paranaguá
Ricardo Drubscky

O novo técnico do Atlético já deu os primeiros sinais de que é um "técnico comum" do futebol brasileiro.

Quando digo comum, quero dizer que é daqueles que passam a carreira treinando times das divisões de acesso pelo Brasil.

Algumas afirmações e atitudes no sábado me fazem pensar assim:

- Drubscky afirmou que enfrentamos um "grande" adversário, o Goiás. Tá de brincadeira né... o time deles é fraquíssimo, se limitou a marcar durante a partida toda.

- Disse também que "viu vários pontos positivos na equipe, e que a equipe já está um pouco organizada"... deve ter cheirado meia então, pois não tivemos organização alguma, jogando num falso 4-4-2, que na verdade era um 4-3-3 com Harrison escondido na ponta direita.

- Fez substituições completamente equivocadas, já que trocou Harrison, que estava em posição errada por Pablo, também em posição equivocada. Depois trcou 6 por meia duzia, colocando Ricardinho no lugar de Edigar Junio. E pra imitar Carrasco, tirou o centro-avante Fernandão, que era o único que consiga ganhar as bolas lançadas da defesa pra colocar Bruno Furlan. Ou seja, com o meio campo não funcionando, mexeu apenas no ataque, como contra o CRB.


Enfim, começou mal Ricardo Drubscky, espero que com uma semana de trabalho, defina o esquema, e não mantenha dois volantes contra o Ceará, que é outro time que vem mal.

Unidade móvel da PlanetaCap
Gigante do Itiberê

Chegando em frente ao estádio, pareceu simpático, confortável, com ruas tranquilas e clima acolhedor.

Mas na parte de dentro, que é onde interessa, tudo deixa a desejar. Começando pela estrutura pra imprensa, semelhante a Vila Capanema, ou seja, nível de futebol amador mesmo.

O gramado nem se fala, completamente impraticável. E aí foi o que tirei de bom da entrevista de Ricardo Drubscky, disse ele: "a diretoria tem que rever isso aí". E tem toda razão o treinador, pois pra jogar ali terá que treinar o time pra jogar bola na área o tempo todo, pois a bola não rola de jeito nenhum.

E pra completar, as arquibancadas, com "bancos" que atrapalham em vez de ajudar, muito mal feito.

SRN

quarta-feira, 13 de junho de 2012

Ricardo Drubscky: por eliminação, uma aposta coerente


Aposta coerente.
O novo técnico do Furacão é Ricardo Drubscky.

Não agradou a torcida por ser desconhecido, e aparentemente não ter experiência suficiente para o desafio de treinar um time como o do Furacão.

Mas, considerando todos os fatores que envolveram a escolha do novo treinador, por eliminação, a escolha me pareceu coerente. Vamos aos fatores:

- Carrasco não podia mais continuar, depois do "puxão de orelha" da diretoria sobre as invenções, passou a inventar mais, traindo suas próprias convicções (frase "roubada" do Blog Bola na Corpo);

- Caio Jr seria uma boa opção, na minha visão, mas tinha propostas do futebol do exterior, ou seja, muito caro pra seu nível;

- Jorginho, que seria outra boa opção, quase acertou, mas exigiu (ele ou o empresário) uma cláusula comum em clubes pequeno, liberando o treinador em caso de propostas da Série A. Não tem como, deve estar apenas esperando os primeiros técnicos caírem na Série A pra "pegar uma boquinha". Esse tipo de comportamento dos técnicos ajuda a justificar o excesso de demissões por parte das diretorias.

- Vagner Mancini, Toninho Cerezo, Stevam Soares nem comentou, seria pagar caro pelos mesmos técnicos de sempre...

Alguém tem mais alguma idéia de técnico? Eu não, e por isso, de cabeça "menos quente", entendo que a contratação de Drubscki é uma aposta válida. Em favor do novo treinador ainda temos o fato de ele conhecer muito bem o elenco rubro-negro, por ter coordenado a base pouco tempo atrás, o que indica que ele deve usar, e muito, os jogadores mais jovens!


Por fim, o treinador já afirmou que prefere jogar no 4-4-2, então vamos a primeira cornetada no "11 ideal":

Rodolfo; Gabriel Marques, Manoel, Cleberson, Heracles; Deivid, Zezinho, Paulo Baier, Harrison; Edigar Junio e Fernandão.

Formando um losango na meia, com Harrison como meia-atacante, Zezinho e Baier fazendo a ligação e subindo como "homem surpresa", além de Edigar Junio abrindo pelas pontas quando necessário.

SRN

Atualização (21-06-2012): Após meia-dúzia de discursos batidos, e apenas uma partida "comandando" o amontoado que se tornou o rubro-negro, a expectativa já passou do "vamos ver" pro "ferrou tudo"! Valeu diretoria!