domingo, 23 de outubro de 2011

Ressurgiu a motivação?

Não pude assistir a partida, mas acompanhei os comentários da galera pelo twitter e os lances em tempo real.

O que parece é que o time voltou a atuar com raça durante os 90 minutos.

Mesmo perdendo varias oportunidades, como já é costume desse time de 2011, conseguimos manter a vitória magra (e goleada ao mesmo tempo).

Agora é tentar repetir o que conseguimos apenas uma vez no ano... Uma seqüência de 13 pontos (pelo menos) em 7 partidas!

E quanto antes o Furacão conquistar os pontos melhor, mesmo porque não temos mais tempo pra erros!

Por isso é obrigatório NÃO PERDER do Santos, na Vila! Tarefa das mais difíceis nesse momento que vivem ambos os times.

Só que agora tem que ser assim... Milagre seguido de milagre!

Última chance

Não é preciso fazer muitas contas ou analises pra entender o que o Furacão precisa fazer pra fugir desse quase certo rebaixamento.

Vencer Ceará, Atlético-GO, São Paulo e Coritiba em casa. E conseguir mais 5 pontos em outras 4 partidas fora contra Santos, Corinthians, Cruzeiro e América-MG.

Alguns lembram de 2008, quando fizemos algo parecido com o que precisamos esse ano, nas ultimas 8 rodadas também!

E o mais bizarro é que nosso time era pior que o desse ano, no papel.

Mas como muitos estão dizendo, esse time de 2011 é o mais "sem vergonha" que já tivemos, e por isso é difícil acreditar na reviravolta.

Qualquer resultado que não a vitoria hoje decreta definitivamente o rebaixamento.

Então o jeito é ir pra Arena, buscar aquele restinho de esperança que nos resta, e soltar os gritos de incentivo até o ultimo minuto.

Vencendo, aí vamos pensar em como ganhar do Santos lá.

Perdendo, é voltar pra casa imaginando quem fica pra jogar a Série B.

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Acreditar como?

Tem hora que não tem mais como deixar a razão olhar pra emoção e não dar risada!

A verdade é que neste campeonato o Atlético viveu de espasmos, tendo seqüência de alguns bons resultados apenas em um momento, com Renato Gaúcho.

Vitórias como contra o Flamengo, Santos e Internacional vem seguidas de partidas bizarras como contra América-MG, Figueirense e Avaí.

Bom futebol mesmo foi apresentado em raríssimas oportunidades.

Pra mim, o divisor de águas acontece na partida contra o América-MG, na Arena, quando não passamos de um empate apresentando um futebol medíocre. A partir daí foram 5 partidas sem vencer em casa, e isso foi determinante para a nossa situação atual.

Não vencemos América-MG, Atlético-MG, Palmeiras, Figueirense e Fluminense; e agora precisamos vencer Vasco, Ceará, Atlético-GO, São Paulo e Coritiba, além de um partida fora de casa.

Sem pensar no futebol que o Atlético vem apresentando no campeonato, parece "apenas difícil"... mas lembrando da sequência do Furacão desde que Antônio Lopes assumiu, beira o impossível.


A cada rodada que passa teimo em achar um ponto positivo para a próxima partida: um desfalque que volta; um adversário que não joga; a torcida vai empurrar... não consigo mais encontrar nada...

Isso não é abandonar o barco, jogar a toalha, ou qualquer m&#%$ dessas...

É lógico que vou acreditar e empurrar até o fim... (emoção)

Mas hoje a situação é tão clara que não consigo mais enxergar uma salvação para este ano rubro-NEGRO. (razão)

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Vitória, vitória ou vitória!


Precisamos vencer o Avaí, disso todos já sabem...

Mas só pra deixar claro... PRECISAMOS MUITO vencer o Avaí!

Restam 11 partidas para o final do Brasileirão, 5 delas em casa!

Vencendo o Avaí, precisaríamos vencer "apenas" as partidas em casa e alcançaríamos os 45 pontos, teoricamente suficientes para livrar da Série B.

Mesmo assim é complicado, já que receberemos na Arena adversários como Vasco e São Paulo, além do clássico Atletiba.

Segue a sequência de partidas do Furacão:

FORA - Avaí
CASA - Vasco
FORA - Botafogo
CASA - Ceará
FORA - Santos
CASA - Atlético-GO
FORA - Corinthians
CASA - São Paulo
FORA - Cruzeiro
FORA - América-MG
CASA - Coritiba

Desses, temos que VENCER Avaí, Vasco, Ceará, Atlético-GO, São Paulo, América-MG e Coritiba;

Para poder empatar com Botafogo e Cruzeiro;

E poder perder para Santos e Corinthians;

Assim alcançaríamos 50 pontos ficando completamente livres da ZR.

---

Torcida na Ressacada

Em 2009 e 2010 tive a oportunidade de ir pra Floripa nas partidas contra o Avaí, com derrota (das feias) em 2009 e vitória (das emocionantes) em 2010.

Infelizmente não poderei ir esse ano... mas parece que a torcida do Furacão vai lotar a área reservada para o visitantes na Ressacada, e pra isso tem promoção pros sócios (clique aqui).

Torcida presente na Ressacada em 2010.


#VamosFuracão

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

D'Alessandro e a patética simulação da "balinha de chumbo".

Já virou regra entre a juizada dar cartão amarelo por simulação de faltas, sendo essa uma orientação da própria FIFA.

E o caso ridículo da "balinha de chumbo"... não merece punição?

Pra quem não percebeu, o objeto era uma bala.

É lógico que o infeliz que atirou uma bala pro campo é um imbecil, ou até mesmo um adversário infiltrado, e cabe ao clube identificá-lo e retirá-lo do gramado, como o fez.

Mas a simulação de D'Alessandro visou apenas tumultuar a partida, o que seria perfeitamente passível de cartão amarelo. #FicaADica

Nossa sorte tem nome: "Marcinho"

Ele é o cara!
O jogo

Lembra da sorte que eu comentei que precisaríamos para fugir desse situação? Pois é, ela apareceu!

Depois de um primeiro tempo fraco, com apenas uma chance de Nieto, num lance bizarro, o Atlético voltou um pouco assustado no segundo tempo.

E aí a sorte começou a aparecer, quando o bandeira marcou impedimento bizarro no gol do Jô, anulado pelo arbitro.

Depois do susto, o Atletico começou a mostrar alguma qualidade ofensiva, principalmente com Marcinho, que vem sendo decisivo sempre que entra.

E não deu outra, num passe preciso de Marcinho, Nieto apenas empurra, de cabeça, para fazer 1 a 0.

A partir do primeiro gol o Furacão conseguiu dominar melhor a partida, e logo Nieto teve sua terceira chance de marcar, num passe preciso de Guerron perdeu ao tentar driblar o goleiro.

Mas o jogo era nele, e o rubro-negro insistiu nas bolas para o gringo, e num cruzamento preciso de Edilson, Nieto cabeceia todo torto pra marcar o segundo, praticamente matando o jogo!

Só que a noite era pra lembrar de Kleber, o Incendiário. Mais um lançamento, dessa vez do irregular Marcelo Oliveira, deixando Nieto cara a cara com o goleiro. O gringo recebeu e seguiu uns 25 metros brigando com a bola, demorando pra concluir a jogada... Perdeu mais um!

A essa altura a vitória já era certa e a torcida resolveu gritar o nome do gringo, mesmo com seu aproveitamento de 40% em lances claros.

E agora?

O fato é que seja com Nieto, Pablo, Edgar Junio ou El Morro, a bola precisa chegar, e esse ano a bola só chega quando Marcinho está em campo.

E no final das contas, pra tal da sorte continuar do nosso lado, Marcinho tem que estar em campo!