sexta-feira, 11 de março de 2011

O vexame de ontem na minha visão

Guerrón foi bem no primeiro tempo,
mas sumiu no segundo.
Sílvio (1) - Desastre total, o goleiro confirmou sua fama de estabanado e quase entregou o ouro em diversas oportunidades.

Wágner Diniz (5) - Jogou como sempre joga, aparecendo muito pro jogo, criando boas jogadas (duas vezes deixou companheiros na cara do gol), mas sem qualidade técnica. Defensivamente foi mal.

Manoel (2), Rafael Santos (1) e Gabriel (3) - Os 3 desastrosos, um pior que o outro, abusaram de falhar no conjunto e individualmente.

Héracles (3) - O garoto que eu considero uma boa promessa foi mal também. Pelo seu lado nasceram praticamente todas as jogadas de ataque do time "genérico".

Alê (5) - O volante de qualidade técnica limitadíssima se propôs a fazer o feijão com arroz, e não foi tão mal quanto os companheiros. Inclusive, na minha opinião, sua saída destruiu o que restava do meio-campo do Atlético.

Kleberson (6) - Fez a melhor partida desde sua volta, e obviamente isto está ligado ao fato de ter jogado como segunda volante. Na marcação só cercou, mas no ataque lançou boas bolas para Guerrón, e no segundo-tempo fez um golaço. Continua errando muitos passes.

Paulo Baier (2) - O "maestro" não consegue jogar desde o Atletiba. Parece estar sem condições físicas para disputar tantas partidas. Nem bola parada ele vem acertando.

Wescley (2) - Correu.

Guerrón (5) - Jogou muito no primeiro tempo, participando de praticamente todas as jogadas do CAP. Se não fosse o segundo tempo horroso que fez, seria o melhor em campo.

Ivan Gonzalez (3) - Correu muito, como sempre.

Henan (sem nota) - Entrou novamente no sufoco, pra ter que resolver, fez uma boa jogada, mas sem tempo pra avaliação.

Clayton (sem nota) - Ex-jogador, não tem condições físicas de estar no elenco. Só joga pra torcida.

Geninho (2) - De positivo apenas o fato de ter colocado Kleberson na meia. O treinador, que deve servir mais pra não atrapalhar do que pra ajudar, no final da partida desmontou completamente o time, colocando Clayton, que nem marca nem joga, no lugar de Alê, que pelo menos preenchia bem o meio.

O jogo

O time não teve esquema tática bem definido e jogou na base do "vamo vê no que dá".

Com 3 zagueiros batendo cabeça, dois laterais que simplesmente não voltaram e apenas um volante de marcação, o Atlético novamente sofreu no setor defensivo.

Ofensivamente, no início da partida, até fomos bem, devido a qualidade técnica muito superior a do adversário. O Atlético criou pelo menos 4 chances de gol, praticamente sempre em jogadas de Guerrón.

Mas foi o "genérico" que marcou primeiro, com Manoel perdendo novamente no mano a mano.

O segundo tempo veio com o Furacão veio pior e, novamente, foi a qualidade técnica que decidiu. Kleberson que, jogando de segundo volante, conseguiu jogar bem, arriscou vários chutes a gol (desde o primeiro tempo), e na quarta tentativa marcou um golaço.

Aí Geninho resolveu piorar o que já estava ruim. Tirou Wágner Diniz, que ainda era um dos poucos que criava, para colocar Henan, deslocando Wescley, improvisado, para a lateral direita.

Não contente com o primeiro erro, resolveu entrar na onda da torcida e colocar Clayton no lugar do único volante de marcação que tínhamos. Foi o que bastou para o time perder completamente o meio campo e a posse de bola.

O Atlético ficou com 2 zagueiros atrás, Clayton (ou Cleyton, como diz o senhor que senta próximo a minha cadeira) armando as "jogadas", e o resto todo lá na área do adversário... e DALHE CHUTÃO.

Resultado, dalhe contra-ataques dos "genéricos". Não tomamos o segundo por sorte. (e segundo eles, pelo juiz, que não teria marcado um pênalti que eu achei que não houve)

No mais, só vaiar por parte da torcida... veja os gols:

Nenhum comentário:

Postar um comentário