sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

[Arena da Baixada] Até logo Joaquim...

Parece que está tudo certo para o "até logo" da Arena da Baixada.

Será uma partida comemorativa dos 10 anos do título Brasileiro de 2001, que terá os campeões de 2001 contra os campeões da série B de 1995.

Excelente iniciativa e ótima oportunidade pra revermos os maiores ídolos da história recente atleticana.

O ingresso deverá ficar em R$20,00, sendo que os sócios pagam meia-entrada.

Pra quem acha que pode se dar ao luxo de perder esse "show", fica aí um "incentivo":



SRN

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Somos todos atleticanos

Nesse dia de definição para o nosso querido rubro-negro, deixo aqui trechos da coluna de Silvio Toaldo Júnior, no site furacao.com:

"Como vivemos em uma democracia cada eleitor tem o direito de escolher entre os dois candidatos e mesmo havendo uma briga política muito grande, levando muitas vezes a acusações fortes e infundadas, o mais importante é que hoje após as 19h00 não existam gigantes ou apaixonados e sim existam atleticanos prontos para levantar o Atlético...


...Infelizmente os candidatos ou seus partidários usaram as mídias sociais mais para ataques pessoais do que para mostrar realmente as suas propostas... 


...Li algumas propostas das duas chapas e sinceramente as achei um pouco evasivas, se melhor trabalhadas poderiam render mais alguns votos, porém isso é um problema de cada chapa, que após a divulgação do resultado tornar-se-á um problema para o Clube Atlético Paranaense...


...boa sorte ao Furacão que hoje a noite terá um novo presidente que independente de quem seja colocará o clube no seu devido lugar..."

Para ler a coluna na íntegra, clique aqui.

---

Minha opinião é de que as chapas poderiam (e deveriam) ter gastado (muito) menos dinheiro em telemarketing, panfletagem, adesivos, correspondências e e-mails de span;

e poderiam ter colocado (muito) mais empenho em debates e discussões das propostas (que são bem diferentes).

Mas hoje acaba tudo isso e a união entre os atleticanos marcará os próximos 3 anos!

SRN

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Queda pedagógica


O jogo

A partida contra o América-MG, em Uberlândia, foi o símbolo do futebol apresentado durante toda a temporada pelo Atlético.

Falta de vontade e comprometimento, aliado a deficiência técnica dos melhores condicionados fisicamente e a deficiência física dos mais técnicos.

Jogadores como Heracles, Wendel e Guerrón até correm durante toda a partida, mas tecnicamente ficam devendo, com falhas defensivas (Heracles e Wendel) e constantes gols perdidos (Guerron).

E jogadores como Cleber Santana, Branquinho, Paulo Baier e Marcinho, que podem fazer a diferença técnicamente, hoje se arrastam em campo.

E pra atrapalhar ainda mais, ontem até o melhor jogador do elenco na temporada foi muito mal: Deivid.

A verdade é que depois da partida de ontem, não temos do que reclamar. Jogamos como derrotados.

Futuro

Agora sim é hora de pensar em eleições, propostas... no futuro do Atlético.

2012 sem Arena da Baixada

Ano que vem, jogaremos fora da Baixada, e a partir daí já começa a escolha de quem deve assumir o Atlético no próximo triênio.

Na minha opinião, a diretoria deve buscar com todas as forças levar os jogos para o Couto Pereira, por motivos óbvios:

- Gramado melhor que o da Vila Capanema;
- Espaço sufuciente para manter (ou amplicar) o número de sócios;
- Mais confortável se comparado a Vila;

Aprendendo com a série B

Com a queda já praticamente decretada, temos que questionar os candidatos com a seguinte questão: "Como fazer com que essa seja uma queda pedagógica?"

Já que esse passo para trás vai acontecer, temos que pensar em como usá-lo como um "recuo estratégico", para darmos outros 5 passos a frente depois.

E temos exemplos próximos.

Quando o Coritiba caiu em 2005, ficou 2 anos na série B e nada mudou. Precisaram cair novamente para aprenderem, e isso não pode acontecer conosco.

E uma das soluções "políticas", na minha opinião vem do "co-irmão": um colegiado tomando as decisões mais importantes.

E que venham as eleições...

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Cavando a própria cova


O que pensaram quando trouxeram o
Rodriguinho, e por empréstimo?
No começo do ano eu mesmo defendi alguns reforços que a diretoria trouxe por empréstimo (Madson e Kleberson), e ainda acho que, em casos específicos, empréstimos podem ser bons para um clube.

O problema é que esse tipo de reforço virou regra na atual gestão, até mesmo para jogadores fracos.

O resultado disso é um elenco formado com vários jogadores descomprometidos com o clube. Jogadores que sabem que mesmo caindo esse ano, em 2012 voltarão para seus clubes de origem, sendo novamente emprestados ou mesmo tendo uma nova chance.

E o "contras" não param por aí. Hoje, por exemplo, contra o São Paulo, teremos dois desfalques por "força contratual".

Pode parecer pouco pensando apenas nesta partida, mas num contexto geral, considerando o campeonato todo, o problema fica mais evidente.

Lembrando de alguns dos principais jogadores que estiveram no elenco rubro-negro em 2011, temos: Wagner Diniz, Kleberson, Marcelo Oliveira, Rodriguinho, Wendel, Cléber Santana e Madson.

São 7 jogadores de 6 clubes diferentes, ou seja, são 12 jogos onde com certeza teremos pelo menos 1 desfalque.

Então já fica a dica pra próxima diretoria.

Um ou dois empréstimos em casos específicos para preencher uma posição carente pode ser muito útil, basta lembrar de Wesley e Maikon Leite.

Mas trazer mais de meio time por empréstimo é cavar a própria cova.

Jogo de hoje

Como agora não adianta ficar chorando o leite derramado, hoje é dia de lotar a Baixada e empurrar o Furacão pra cima dos cervídeos.

É vencer ou vencer, e ainda torcer contra o Cruzeiro.

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Mau presságio?

Um dos maiores safados que já vi apitar nos últimos anos foi escalado para a partida de domingo, contra o Corinthians, no Pacaembu.

 Nielson Nogueira Dias é o nome do indivíduo, e os dois ASSALTOS que o infeliz apitou são esses:

Atlético 3 x 2 Corinthians (Copa do Brasil "arrumada" para os gambás desde o começo, em 2009)


Nesta mesma partida o juizão ainda marcou um pênalti não existente em Dentinho, não marcou falta clara no lance do primeiro gol do Corinthians, e ainda deu falta mesmo depois de dar vantagem no lance do segundo gol. Lembrando que um dos gols foi de Dentinho, que devia ter sido expulso no lance mostrado no vídeo.

Vasco 3 x 1 Atlético


E nesta partida, mesmo com a equipe atleticana jogando mal, o juizão afundou ainda mais, gerando repercussão até na imprensa do eixo. Foram 3 erros absurdos, começando pelo pênalti mal marcado, além da expulsão ridícula de Chico num lance que nem falta houve, e a expulsão de Elí Sabiá, que tinha levado amarelo no pênalti que não existiu.

E a escalação de Nielson Nogueira Dias vem após uma derrota polêmica dos Gambás contra o lanterna América-MG, quando foram marcados dois pênaltis inexistentes, um a favor e outro contra os paulistas.

Mal presságio? Vamos ter que passar por cima!

terça-feira, 8 de novembro de 2011

domingo, 23 de outubro de 2011

Ressurgiu a motivação?

Não pude assistir a partida, mas acompanhei os comentários da galera pelo twitter e os lances em tempo real.

O que parece é que o time voltou a atuar com raça durante os 90 minutos.

Mesmo perdendo varias oportunidades, como já é costume desse time de 2011, conseguimos manter a vitória magra (e goleada ao mesmo tempo).

Agora é tentar repetir o que conseguimos apenas uma vez no ano... Uma seqüência de 13 pontos (pelo menos) em 7 partidas!

E quanto antes o Furacão conquistar os pontos melhor, mesmo porque não temos mais tempo pra erros!

Por isso é obrigatório NÃO PERDER do Santos, na Vila! Tarefa das mais difíceis nesse momento que vivem ambos os times.

Só que agora tem que ser assim... Milagre seguido de milagre!

Última chance

Não é preciso fazer muitas contas ou analises pra entender o que o Furacão precisa fazer pra fugir desse quase certo rebaixamento.

Vencer Ceará, Atlético-GO, São Paulo e Coritiba em casa. E conseguir mais 5 pontos em outras 4 partidas fora contra Santos, Corinthians, Cruzeiro e América-MG.

Alguns lembram de 2008, quando fizemos algo parecido com o que precisamos esse ano, nas ultimas 8 rodadas também!

E o mais bizarro é que nosso time era pior que o desse ano, no papel.

Mas como muitos estão dizendo, esse time de 2011 é o mais "sem vergonha" que já tivemos, e por isso é difícil acreditar na reviravolta.

Qualquer resultado que não a vitoria hoje decreta definitivamente o rebaixamento.

Então o jeito é ir pra Arena, buscar aquele restinho de esperança que nos resta, e soltar os gritos de incentivo até o ultimo minuto.

Vencendo, aí vamos pensar em como ganhar do Santos lá.

Perdendo, é voltar pra casa imaginando quem fica pra jogar a Série B.

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Acreditar como?

Tem hora que não tem mais como deixar a razão olhar pra emoção e não dar risada!

A verdade é que neste campeonato o Atlético viveu de espasmos, tendo seqüência de alguns bons resultados apenas em um momento, com Renato Gaúcho.

Vitórias como contra o Flamengo, Santos e Internacional vem seguidas de partidas bizarras como contra América-MG, Figueirense e Avaí.

Bom futebol mesmo foi apresentado em raríssimas oportunidades.

Pra mim, o divisor de águas acontece na partida contra o América-MG, na Arena, quando não passamos de um empate apresentando um futebol medíocre. A partir daí foram 5 partidas sem vencer em casa, e isso foi determinante para a nossa situação atual.

Não vencemos América-MG, Atlético-MG, Palmeiras, Figueirense e Fluminense; e agora precisamos vencer Vasco, Ceará, Atlético-GO, São Paulo e Coritiba, além de um partida fora de casa.

Sem pensar no futebol que o Atlético vem apresentando no campeonato, parece "apenas difícil"... mas lembrando da sequência do Furacão desde que Antônio Lopes assumiu, beira o impossível.


A cada rodada que passa teimo em achar um ponto positivo para a próxima partida: um desfalque que volta; um adversário que não joga; a torcida vai empurrar... não consigo mais encontrar nada...

Isso não é abandonar o barco, jogar a toalha, ou qualquer m&#%$ dessas...

É lógico que vou acreditar e empurrar até o fim... (emoção)

Mas hoje a situação é tão clara que não consigo mais enxergar uma salvação para este ano rubro-NEGRO. (razão)

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Vitória, vitória ou vitória!


Precisamos vencer o Avaí, disso todos já sabem...

Mas só pra deixar claro... PRECISAMOS MUITO vencer o Avaí!

Restam 11 partidas para o final do Brasileirão, 5 delas em casa!

Vencendo o Avaí, precisaríamos vencer "apenas" as partidas em casa e alcançaríamos os 45 pontos, teoricamente suficientes para livrar da Série B.

Mesmo assim é complicado, já que receberemos na Arena adversários como Vasco e São Paulo, além do clássico Atletiba.

Segue a sequência de partidas do Furacão:

FORA - Avaí
CASA - Vasco
FORA - Botafogo
CASA - Ceará
FORA - Santos
CASA - Atlético-GO
FORA - Corinthians
CASA - São Paulo
FORA - Cruzeiro
FORA - América-MG
CASA - Coritiba

Desses, temos que VENCER Avaí, Vasco, Ceará, Atlético-GO, São Paulo, América-MG e Coritiba;

Para poder empatar com Botafogo e Cruzeiro;

E poder perder para Santos e Corinthians;

Assim alcançaríamos 50 pontos ficando completamente livres da ZR.

---

Torcida na Ressacada

Em 2009 e 2010 tive a oportunidade de ir pra Floripa nas partidas contra o Avaí, com derrota (das feias) em 2009 e vitória (das emocionantes) em 2010.

Infelizmente não poderei ir esse ano... mas parece que a torcida do Furacão vai lotar a área reservada para o visitantes na Ressacada, e pra isso tem promoção pros sócios (clique aqui).

Torcida presente na Ressacada em 2010.


#VamosFuracão

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

D'Alessandro e a patética simulação da "balinha de chumbo".

Já virou regra entre a juizada dar cartão amarelo por simulação de faltas, sendo essa uma orientação da própria FIFA.

E o caso ridículo da "balinha de chumbo"... não merece punição?

Pra quem não percebeu, o objeto era uma bala.

É lógico que o infeliz que atirou uma bala pro campo é um imbecil, ou até mesmo um adversário infiltrado, e cabe ao clube identificá-lo e retirá-lo do gramado, como o fez.

Mas a simulação de D'Alessandro visou apenas tumultuar a partida, o que seria perfeitamente passível de cartão amarelo. #FicaADica

Nossa sorte tem nome: "Marcinho"

Ele é o cara!
O jogo

Lembra da sorte que eu comentei que precisaríamos para fugir desse situação? Pois é, ela apareceu!

Depois de um primeiro tempo fraco, com apenas uma chance de Nieto, num lance bizarro, o Atlético voltou um pouco assustado no segundo tempo.

E aí a sorte começou a aparecer, quando o bandeira marcou impedimento bizarro no gol do Jô, anulado pelo arbitro.

Depois do susto, o Atletico começou a mostrar alguma qualidade ofensiva, principalmente com Marcinho, que vem sendo decisivo sempre que entra.

E não deu outra, num passe preciso de Marcinho, Nieto apenas empurra, de cabeça, para fazer 1 a 0.

A partir do primeiro gol o Furacão conseguiu dominar melhor a partida, e logo Nieto teve sua terceira chance de marcar, num passe preciso de Guerron perdeu ao tentar driblar o goleiro.

Mas o jogo era nele, e o rubro-negro insistiu nas bolas para o gringo, e num cruzamento preciso de Edilson, Nieto cabeceia todo torto pra marcar o segundo, praticamente matando o jogo!

Só que a noite era pra lembrar de Kleber, o Incendiário. Mais um lançamento, dessa vez do irregular Marcelo Oliveira, deixando Nieto cara a cara com o goleiro. O gringo recebeu e seguiu uns 25 metros brigando com a bola, demorando pra concluir a jogada... Perdeu mais um!

A essa altura a vitória já era certa e a torcida resolveu gritar o nome do gringo, mesmo com seu aproveitamento de 40% em lances claros.

E agora?

O fato é que seja com Nieto, Pablo, Edgar Junio ou El Morro, a bola precisa chegar, e esse ano a bola só chega quando Marcinho está em campo.

E no final das contas, pra tal da sorte continuar do nosso lado, Marcinho tem que estar em campo!

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

[Arena da Baixada] Torcedor não é beata. Se não quer ouvir xingamentos, fica em casa!


Acredite se quiser, tem gente
defendendo a PM neste caso.

Depois de publicar um post cheio de absurdos e inverdades, o jornalista João Carlos Assumpção, o tal do Janca, da LanceNet, mudou alguns pontos de seu post mudando um pouco o tom de crítica a torcida atleticana, que protestou contra o árbitro no sábado passado.

Mesmo assim, o jornalista insistiu em defender a ação da PM contra os torcedores, na Arena.

Não feliz em defender a ação da PM, criticou a torcida rubro-negra, e a estrutura da Arena... BIZARRO.

Então, vou deixar aqui a tréplica que escrevi no blog dele:

"Vou apenas responder suas perguntas...

O que eu chamo de ação da PM?

Reagir a  um aglomerado de torcedores que estão xingando (apenas isso, repito) o árbitro com porradas de cassetete e tiros de borracha.

Os torcedores não fizeram nada? Só xingaram?

Sim, só xingaram. A PM "alega" que objetos foram arremessados, pois então que mostrem as imagens de alguma das diversas câmeras que filmavam o incidente, ou mesmo apresentem os objetos arremessados.

Os jogadores do Fluminense reclamaram?

O Fred reclamou que teve que parar a entrevista pelo tumulto (tadinho). SIM, tumulto causado pelos tiros de borracha e porradas que a polícia deu pra dispersar a galera que só estava ali pra xingar. Se a polícia tivesse apenas escoltado o árbitro, como é praxe em todos os estádios brasileiros, nada teria acontecido.

Agora completando...

Não sei se você conhece a Arena da Baixada, ou algum estádio com os moldes parecidos. A arquibancada fica próxima ao campo, e a única maneira de sair de campo é passado perto da torcida, basta assistir alguns jogos do campeonato inglês que verá mais ou menos como funciona.

E quando a torcida quer protestar, com o time, com o árbitro, ou seja quem for, sabe que os indivíduos vão sair por ali mesmo, e parte dos torcedores acabam se deslocando pra lá, pra tentar mostrar sua indignação.

Isso acontece há 12 anos, desde que a Arena foi inaugurada. E nas poucas vezes que incidentes de objetos arremessados ocorreram, o Atlético foi devidamente punido.

Não sou inocente de achar que todos que estavam protestando ali são absolutamente civilizados, afinal tem camarada que só foi lá pra tentar bater nos PMs, depois da "ação militar". Mas posso afirmar que se ALGUÉM arremessasse alguma objeto no campo, os primeiros a denunciar o indivíduo seriam os próprios torcedores, como já aconteceu algumas vezes.

Mas se, mesmo sem nenhuma prova de qualquer atitude que tenha passado de xingamentos por parte da torcida, você acha que a PM tinha que agir como agiu, realmente, vamos concordar em discordar.

Mas ainda afirmo, como já disse Mauro Cézar Pereira, da ESPN Brasil, torcedor não é beata, e se não quer ouvir xingamentos, fica em casa."

Pra quem quiser responder o tal de Janca, clique aqui.

terça-feira, 27 de setembro de 2011

O que tirar da "Carta aos atleticanos", de Marcos Malucelli

Mais uma vez Marcos Malucelli solta, pelo site oficial, uma "Carta aos atleticanos"...

Dessa carta, cito aqui uma frase:

"...A partir de hoje o comando do futebol do CAP passa integralmente, sem intermediários, para as minhas mãos..."

Repetindo o que aconteceu em 2008, quando Petraglia ainda estava no comando, Malucelli assume o futebol no Furacão.

Naquele ano, o comportamento do time mudou completamente. Com a chegada de Geninho, a equipe que no geral era mais fraca tecnicamente que a de hoje, se superou. Na vontade, na raça, e na disciplina tática, explorando o único ponto forte do elenco naquela altura (Netinho cruzando e Rafael Moura finalizando), o Atlético escapou do rebaixamento na última rodada, contra o Flamengo.

Agora é direto com o presidente, Delegado.

Mas agora, pelo histórico de incompetência dessa gestão, a expectativa de mudanças na prática, é mínima.

Então está aí a última chance do atual presidente deixar o Clube com um mínimo de dignidade possível.

Mesmo com o forte sentimento pessimista que toma conta do meu lado sofredor torcedor, o jeito é acreditar, mais um vez, que alguma coisa vai mudar e que vamos sair dessa.

#ForçaFuracão!

#PraInspirar

"Cornetando" a escalação de Lopes contra o Inter


Com Marcinho as chances de
vencer são muito maiores.
Com os desfalques de Deivid e Pablo, além de Rafael Santos e Wágner Diniz (reforços quando não jogam), meu time para domingo seria:

Renan Rocha; Edilson, Manoel, Fabrício, Marcelo Oliveira; Wendel, Renan Foguinho, Cléber Santana, Marcinho; Guerrón e Morro Garcia.

Não sei se Paulo Roberto já teria condições de jogo, se sim, colocaria ele pro lugar de Wendel.

Talvez Marcinho também não tenha condições de participar desde o início, mas veja sua presença, nem que no segundo tempo, fundamental para a vitória, basta ver o histórico do Furacão neste Brasileiro.

E como opções teríamos O Maestro Baier, Nieto, Adaílton e Kleberson.

Com muita raça, sem trabalhadas (pra não dizer pior), e um pouco de sorte, vencemos o Internacional e vamos a 27 pontos...

E como inspiração, segue o gol da vitória no ano passado... golaço do Maestro:

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

É proibido xingar...

Depois da arbitragem meter a mão no Furacão, novamente, a torcida cansou e resolveu protestar, com xingamentos, apenas isso.

E a PM fez o que? Desceu a borracha e disparou tiros pra cima dos Sócios Furacão. Veja no vídeo:


Depois, ainda fez uma demonstração de força desfilando no centro do gramado, imagem não mostrada no vídeo.

Reparem também, no vídeo, PMs ameaçando os torcedores com xingamentos e ameaças.

Mauro Cézar Pereira escreveu sobre o assunto em seu blog, leia aqui.

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Um atleticano em São Paulo


Já era final do dia de trabalho, umas 18h30, e chegava a hora do jogo do Furacão, contra o Cruzeiro, na Baixada.

Começou aquela sensação de frio na barriga, nervosismo, afinal, precisávamos da vitória: - "Vou pra casa", pensei.

Chegando no térreo do prédio, encontro dois amigos.

- "E aí, bora tomar umas brejas (beras poooo) lá em casa!", um deles convida, e respondo de imediato:

- "Tem jogo do Atlético, não rola", como eles já me conhecem, nem questionam.

Nessa enrrolação pra ir embora, chega a hora do jogo, 19h30, e ainda tinha que pegar o trem.

Acesso o Twitter pra confirmar a escalação com os tuiteiros de plantão, e começo a pensar numa maneira de acompanhar o jogo até chegar em casa.

- "Rádio pela 3G não rola, vou gastar muitos Megabytes e a bagaça vai sair caro, então vamos tentar uma rádio doida aqui de São Paulo mesmo (no meu MP3 Player), que esteja falando do jogo", mas nenhuma nem comenta os lances.

- "É, vou ter que apelar para o smartphone e sua cara rede 3G".

A primeira rádio que encontro sintonizo e quem está narrando... Fachinelo.

- "Po, Fachinelo narrando é sacanagem!", disse eu, com uma senhora no banco da frente me olhando torto.

Chegando na estação ao lado de casa, já se peassavam quase 30 minutos de partida, quando:

- "GOL!", gritei seco, socando o ar... e agora é um rapaz com a camisa do Corinthians que me olha, achando estranho.

Chegando em casa, entrando no elevador, ataque do Cruzeiro... e caiu o sinal da 3G... - "Baralho!", pensei sozinho.

Já no apartamento, ignorei a rádio e parti para o computador para assistir o jogo pela internet mesmo, já que o PFC tá caro demais, e a galera que mora comigo nem pensa em rachar!

Enquanto isso, a galera do Twitter me informa, empate do Cruzeiro, Wellington Paulista... - "Baralho", agora gritei sozinho.

E nada da internet funcionar... - "Via Embratel do Baralho", pensei novamente!

Acaba o primeiro tempo, e a internet não volta durante todo o intervalo.

- "O jeito vai ser acompanhar pela rádio, via smartphone, pela 3G, com o Fachinelo narrando... que beleza".

E assim o segundo tempo começa... e nada de gol do Furacão... o tempo vai passando... e passando...

- "Anselmo expulso... AGORA VAI!", fico na esperança.

O narrador avisa: - "40 minutos...", e eu: "AHHHHH, VAMO ATLÉTICO!"...

Enquanto isso meu pai estava na Arena, sofrendo junto com a torcida toda: - "Que saudades!", pensei.

A rádio anuncia: - "43 minutos, o Atlético está pressionando, e... (pff)". Caiu a 3G!

- "P$#@ M#@&^, Vivo do Baralho!"

E agora, vamos de internet, mesmo que na base da lentidão, via Twitter... e 2 minutos depois os tuiteiros anunciam:

- "GOOOOOOOOOOOOOOOLLLLLL Cléber Santana 2.0!". Aí eu emendo um: - "GOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOL POR^&@#*!"

Pego o telefone, ligo pro "véio", que atende com:

- "UUHUUULLL, VITÓRIA!"; e ao fundo escuto nitidamente a torcida gritando: - "Atléticoooooooo, Atléticooooooooo, Atléticooooooooo", o juiz tinha acabado de apitar o final da partida!

- "E aí, povão animado hoje?", pergunto;

- "Tá pegando fogo aqui, Cléber Santana jogou demais", ele responde gritando.

- "Esse time ainda me mata do coração, agora é rumo a Libertadores! (piada interna)", eu digo.

- "É isso aí, nos vemos sexta então, e domingo tem mais, tchau!", responde gritando ainda mais alto, com a torcida cantando o Hino ao fundo!

Desligo o telefone arrepiado, com uma puta mistura de saudades (da família, de casa, de Curitiba, desses momentos na Arena):

- "P&^% M#$%@, queria muito estar lá!"

---

E o jogo

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Será que a "Novela Pinheirão" terá seus últimos capítulos em breve?


E parace que o Coritiba vai mesmo comprar o Pinheirão...

Pelo menos é o que afirmam André Pugliesi e Gustavo Ribeiro, em reportagem especial para a Gazeta do Povo.

Mas que interesse o Atlético pode ter nisso? ... simples... a "fFPF" (falída Federação Paranaense de Futebol) deve MUITA grana para o Furacão.

Agora resta saber se a grana vem mesmo pro Furacão ou pára no bolso de algum cartola antes...

Vamos ficar de olho!

---

Final inesquecível do Paranaense de 1998... eu tava lá!

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Falando "a língua dos jogadores" até os TRÊS volantes funcionam

E veio a primeira vitória fora de casa do Furacão.

Placar elástico, sem correr muitos riscos, matando o jogo no contra-ataque.

Faz algum tempo que venho dizendo que tenho saudades daquele Atlético dos contra-ataques que fez o clube aparecer pro Brasil de 1995 pra cá, e Renato Gaúcho parece estar resgatando aqueles times...

Não quero comparar nada, apenas estou lembrando de como é bom ter um time que preocupa o adversário pela velocidade, que empolga a torcida pela raça e vontade dentro de campo.

Ontem, contra o Dragão, o Atlético nitidamente "deu campo" para o adversário. El Morro, Madson e Marcinho marcavam literalmente encima da linha de meio campo, e quando um lateral subia, quem estava por ali acompanhava (por isso é complicado ter Branquinho como titular, ele não acompanha). Isso é disciplina tática.

E quando o Furacão roubava a bola (ou ganhava de presente... eita time fraco esse do Dragão) saia na velocidade, com Cléber Santana organizando/distribuindo, Kléberson subindo como "elemento surpresa", e os dois laterais apoiando.

É o "simples, o "feijão com arroz" funcionando perfeitamente, com muita dedicação da "boleirada"... e é nessa dedicação que fica evidente a diferença entre Renato e Adílson.

O ex-treinador escalava esse mesmo time (taticamente) com TRÊS volantes pra desespero da galera. Mas agora fica evidente que o problema não eram os TRÊS volantes, e sim a vontade da boleirada respeitar o "professô". Não estou dizendo que gostei do trabalho do Adilson, afinal esse respeito que ele não teve é obrigação dele mesmo, como técnico, conquistar... e aí aparecem os méritos do Renato.

Mas voltando ao jogo de ontem... e se tivéssemos um lateral esquerdo melhorzinho hein... seria uns 6 a 0. Paulinho até azarado é, quando acertou UM cruzamento, o juizão anulou o gol... Que beleza!

Melhor no Furacão:

- "Manél", não perdeu uma lá trás e fez o dele lá na frente.

Piores no Furacão:

- Paulinho, que só acertou um dos 15 mil cruzamentos que fez, e ainda é azarado.

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Vitória do #SaiZica

Não dá pra dizer que fomos superiores, que fomos coroados com o gol depois de pressionar, ou coisa parecida.

Também não da pra dizer que jogamos mal, porque fomos bem contra o Santos, que na minha opinião tem o melhor ataque e o melhor técnico da competição.

Mas então como explicar a vitória?

Simples, a #zica foi embora, só pode ser isso!

Contra o Avaí, Vasco e Ceará, atacamos, contra-atacamos, ficamos cara-a-cara com o goleiro adversário, e NADA! Era a tal da #zica!

Só que ontem, na Arena, foi o contrário. A defesa de Renan seguida da bola na trave de Neymar comprovaram que nada podia tirar a vitória do Furacão, e olha que muita gente "qualificada" (e vários sentidos) tentou.

E a torcida fez bonito, mesmo com muita chuva.
[Foto: www.atleticoparanaense.com / Patricia Bahr]
Eles


Primeiro a qualidade legítima, na bola:

- Neymar joga muito. mesmo com Deivid fazendo vários desarmes no atacante, ele conseguiu ser um dos destaques da partida.
- Borges, baita atacante (eu mesmo sempre quis ele no Atlético), conseguiu dominar e fazer o pivô na maioria das bolas que recebeu, incluindo no gol.

E toda essa qualidade do time do Santos só valorizou mais ainda nossa vitória.

Mas agora vamos a "qualidade" do árbitro, da sacanagem mesmo. Marcelo de Lima Henrique, o calhorda que já avacalhou vários jogos do Furacão. E pesquisando um pouco percebi que ele só apita jogos entra o Atlético e times paulistas:

- São Paulo (Brasileiro 2009 - 1x0);
- Palmeiras (Copa do Brasil 2010 - 0x1);
- Corinthians (Brasileiro 2010 - 1x2);
- e agora Santos (Brasileiro 2011 - 3x2).

Todas atuações polêmicas, com critérios ridiculamente diferentes na mesma partida.

Mas é isso, dentro de casa temos que passar por cima da qualidade do adversário e da sacanagem dos árbitros.

Nós

Além de toda essa qualidade contra nós, a bola caiu nos pés (ou na cabeça) dos "abençoados" da noite nos momentos certos.

Cléber Santana driblou 3 tabelando com a poça d'água, e não perdeu; Manoel apareceu sozinho entre a zaga adversária, e não perdeu. E no final, um cruzamento meio torto, Edigar Junio só desvia e a bola vai caprichosamente pra cabeça de Marcinho, que num "peixinho" mata o "peixe". (perdão pela repetição e pelo plágio da ironia, mas é muito boa!)

Infelizmente não pude assistir o jogo in loco, pois não estava em Curitiba. Mas pelo som na televisão, a torcida me pareceu um pouco diferente das últimas rodadas. Mesmo depois do empate do Santos escutei várias vezes os gritos de incentivo, ainda que um pouco misturados às vaias para Paulinho. O importante foi que os incentivos predominaram, o que já é um baita avanço, pra um torcida que está ficando meio chata nessa "era dos sócios". (Pra quem estava no jogo, foi isso mesmo?)

Agora é comemorar essa vitória, pois jogamos no limite. Contra o Atlético-GO, se jogarmos como contra o Botafogo e Santos, podemos voltar com a vitória, basta não perder tantos gols como contra Avaí, Vasco e Ceará.

Melhor da partida


Cléber Santana - errou pouquíssimo; fez um golaço; organizou o meio; e não se escondeu.

Pior da partida


Paulinho - desastre na marcação; só cruzou da intermediária e errado, como sempre. Só é útil quando faz tabelas com ultrapassagem por trás da zaga, entrando na diagonal, por isso chegou a jogar bem com o Carpa, completando a segunda linha de quatro pela esquerda. E mesmo assim, costuma errar o alvo.


#VamosFuracão!

sexta-feira, 29 de julho de 2011

Novamente esse tal de "SE"...

Depois da partida contra o Avaí, escrevi um post intitulado "Esse tal de "SE"...", segue o começo do post:


"E se o Seneme tivesse marcado o pênalti em Santigo García...
e se o chute Kléberson tivesse acertado um dos dois chutes que meteu pra fora...
e se Madson não tivesse perdido duas chances cara-a-cara..."

Pois é, contra o Ceará, praticamente tudo se repetiu...

E se Madson não tivesse perdido...

E se Kleberson não tivesse perdido...

E se o juizão não tivesse errado no segundo amarelo para o Gustavo...

(E colocando mais 2 "SE"...)

E se Santiago García não tivesse perdido...

E se Renato Gaúcho tivesse aprendido que Róbston não pode jogar...

Como Renato mesmo diz: "A bola pune!"

Enquanto os problemas se repetem, seguimos na lanterna, agora com 3 jogos difíceis pela frente!

#VamosFuracão

quinta-feira, 21 de julho de 2011

E se Ricardo Teixeira saísse?

A campanha #ForaRicardoTeixeira está ganhando força, e esse blog apoia!



Mas é importante o pessoal lembrar que Ricardo Teixeira não é a única coisa errada do futebol brasileiro.

Uma saída (improvável) dele abre portas para outros figurões entrarem no comando, e tudo continuaria na mesma.

É bom lembrar que o mandatário da CBF só está lá porque tem apoio dos clubes também.

E se os clubes não conseguem nem escolher um líder decente para a confederação, imaginem se organizar sozinhos?

Enfim, segue alguns links do movimento #ForaRicardoTeixeira:

http://www.foraricardoteixeira.com.br/

http://www.frentedostorcedores.com.br/


quarta-feira, 13 de julho de 2011

Viramos especialistas em "dar" dinheiro e qualidade aos adversários


Mais um ex-jogador do Atlético está de saída para a Europa.

Segundo reportagem da ESPN Brasil, Alex Sandro deve ser negociado com o Porto, que atravessou o rival Benfica, oferecendo 9,5 milhões de euros pelo lateral.

Imagino que o Atlético deve receber alguma coisa como clube criador, mas deve ser esmola perto do que os "donos" do jogador devem receber.

É mais um caso onde perdemos técnicamente e financeiramente, e para um adversário direto no cenário nacional.

Fica mais bizarro ainda se lembrarmos que o lateral não é o principal jogador da posição no clube paulista, sendo que no Atlético, seria DONO absoluto da camisa 6.

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Esse tal de "SE"...


Que bucha hein Renato?
[Foto: Gabriel Hamilko / GloboEsporte.com]

E se o Seneme tivesse marcado o pênalti em Santigo García (que até agora não vi);

e se o chute Kléberson tivesse acertado um dos dois chutes que meteu pra fora (aliás, que linda jogada com o corta-luz do "El Morro");

e se Madson não tivesse perdido duas chances cara-a-cara (é gente, trave não é gol).

É, o "SE" não entra em campo, e nem faz gols.

Contra esse Avaí (2011), depender do "SE" e NADA é a mesma coisa.

Contra esse Avaí, ter volume de jogo, mais chances de gol, ou mesmo não tomar nenhum, não devem ser motivos de comemoração.

Com a tranquilidade e apoio que essa "boleirada" tem pra trabalhar no Furacão, é inadimissível empatar com esse Avaí.

E perder gols como Kléberson e Madson perderam, imperdoável!

E agora, contra o Vasco, onde nunca ganhamos???

A esperança vai ficando cada vez menorzinha...

E agora, quem poderá nos ajudar?

terça-feira, 21 de junho de 2011

Atacante que joga com o corpo, "El Morro" pode sofrer com adaptação

E chegou "El Morro", a contratação mais cara da história do clube.

Meu lado da razão me avisa: é uma aposta, e das bem arriscadas! Lógico que no futebol é preciso arriscar para obter sucesso, mas será que essa aposta realmente teve critério?

Já o lado da paixão acredita com todas as forçar que o cara vai jogar muito, meter 3 gols no primeiro jogo, e no final do ano já será ídolo!

Por isso o negócio é tentar achar um meio termo, pra não me empolgar muito, mas também não secar o cara né...

Pelos vídeos, que sempre aumentam a qualidade dos jogadores, dá pra notar que é um atacante forte, goleador, que joga o tempo todo com o corpo... e daí vem a minha principal preocupação: "os juizes brasileiros".

Atacante que joga com o corpo em time fora dos eixo tende a ter dificuldades de adaptação. Basta lembrar de Guerrón e Nieto, que vivem fazendo faltas de ataque por aqui. Já Kléber, do Palmeiras, e mesmo Adriano quando jogava no Flamengo, em jogadas similares recebem a benção do juiz e seguem o lance (basta lembrarem do primeiro gol do Adriano na volta, encima do Rhodolfo, empurrão claro).

Mas faz parte, e cabe a Santiago "El Morro" García se adaptar!

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Qual a solução?

E a torcida marcou presença em Floripa!
[foto: FURACAO.COM]
O que está acontecendo com o Atlético este ano? As justificativas são as mais variadas possíveis, desde o começo do ano estamos ouvindo um show de desculpas e possíveis soluções.

Os problemas todos já conhecem, escolha equivocada de treinadores, contratações mal feitas, e aos montes, queima de alguns bons jogadores pelo desempenho geral da equipe, etc...

Mas e qual é a solução afinal?

Adilson Batista foi apontado como grande parte dessa solução por muitos, inclusive por mim. E por enquanto parece estar mais atrapalhando do que ajudando. Mas pra mim é claro que o problema não é só ele.

Outros apontaram a contratação de medalhões como solução. Eu mesmo sempre critiquei a antiga diretoria por não trazer jogadores já consagrados, investindo mais pesado em um número menor de jogadores. E isso vem sendo feito pela diretoria, mas aparentemente de forma equivocada.

Equivocada pois estamos contratando por empréstimo grande parte dos jogadores, e com isso deixamos de destacar os NOSSOS jogadores, a nossa base. Hoje temos um elenco cheio de jogadores emprestados, sem identidade alguma com o clube. E enquanto isso, Héracles, promessa da base, é rebaixado pro time Júnior.

O próprio Madson, que é idolatrado pela torcida (e joga muito mesmo), é emprestado, e deve deixar o clube da mesma forma que chegou, sem cerimônia alguma, e sem deixar um centavo aqui dentro.

E pra piorar a situação, parece que os BONS a diretoria traz por empréstimo, já os FRACOS contrata, e paga caro.

É o caso de Robston, Guerrón, Paulinho, que não jogam nada a tempos. Já Madson, Marcelo Oliveira, Cléber Santana e Rômulo, todos emprestados, fazem boas partidas, mas devem deixar logo o clube.

Já Deivid, um dos poucos da base, vem sendo o melhor em campo em praticamente todas as partidas.

Enfim, a coisa está toda errada, e a solução? É... tem que mudar tudo mesmo!

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Guerrón deve sair...na hora certa!

O equatoriano já fala em tom de despedida, devendo deixar o Furacão nos próximos dias.

Considerando que Guerrón é titular hoje, pode-se considerar um prejuízo, ainda mais com essa fase complicadíssima que vive o Furacão.

Mas analisando a qualidade do futebol do atacante neste ano, acredito que é a hora certa pro Atlético se "desfazer" desse "investimento". Lógico, considerando que sairemos no lucro com a transação.

Não é de hoje que a torcida pega no pé de Guerrón, que mesmo marcando seus gols decisivos ano passado, vem perdendo gol atrás de gol esse ano, fazendo a galera lembrar do Kléber, O Incendiário!

Pra quem fala que o "Klébão" era muito melhor, lembrem-se de como a torcida também pegava no pé do cara, era uma relação de amor e ódio mesmo.

Mas o problema vem na reposição, sai Guerrón e entra quem? Adaílton ainda é uma incógnita, uma aposta, e das bem arriscadas. Nieto é matador, e deve ser titular, mas não faz nem de longe o papel que Guerrón cumpre no ataque.

Por isso chego no ponto óbvio da conversa: TEM QUE CONTRATAR! E com qualidade, principalmente pro ataque.

Ps.: e chega de 3 ou 4 volantes né Adilson?

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Debandada geral só comprova a incompetência de todos os envolvidos

Ocimar e Valmor estão fora
Segundo as especulações da imprensa sobre a saída de Valmor, Ademir e Bolicenho, são dois fatores principais que determinaram os fatos: a saída de Geninho e a não contratação de Everton.

E aí eu pergunto, se estão discordando tanto sobre esses assuntos a ponto de saírem do clube, são todos incompetentes mesmo.

A saída de Geninho foi um remendo num erro cometido no início do ano, pois ele não devia nem ter sido contratado. Mesmo os maiores defensores de Geninho concordam que o cara não tinha como continuar. (ou não)

E sobre Everton, pode ser um bom atacante, sei lá, mas não é um nome que chega pra vestir camisa com certeza, porque está gerando tanta discórdia?

Outros problemas que acontecem na gestão MM deveriam ter muito mais importância do que estes dois casos, no entanto, foram os dois casos que causaram essa debandada geral no departamento de futebol.

Por isso, a impressão que fica pra mim é de incompetência geral, seja Marcos Malucelli, Ocimar Bolicenho, Valmor Zimmermann ou Ademir Adur. Todos os envolvidos no futebol do Furacão neste ano podem ser tachados como incompetentes.

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Arbitragem muito confusa e time muito nervoso determinam resultado ruim

Paulo Baier só apareceu na bola parada
Segundo a galera que estava no estádio, antes do início da partida o clima parecia de Libertadores nas arquibancadas e no entorno da Arena. Torcida animada com o torneio mais importante do primeiro semestre.

Dentro de campo Adilson armou um time com 3 volantes, sendo Paulo Roberto a novidade na equipe. Paulo Baier, Madson e Guerrón ficaram responsáveis pela parte ofensiva, sem um homem de referência na frente.

O time entrou motivado, e talvez por consequência dessa motivação, muito nervoso. A zaga trocando (e errando) passes perigosos no campo de defesa. O meio campo muito tumultuado, com Paulo Roberto sendo o único a fazer boa partida. E no ataque, Madson fez contra seu ex-time, sua pior partida desde que chegou em Curitiba.

Mas o Vasco é um time muito fraco também, dando espaço pro Atlético atacar e muito, mas sem qualidade nas finalização, como vem sendo durante todo esse início de ano.

Ainda no 0 a 0, dois erros do bandeira em dois lances de mesma linha, onde os atacante saiam na cara de Fernando Braz.

E o Vasco contra-atacava com força, e com as 3 armas obvias marcou seu primeiro gol. Lançamento de Diego Souza pra velocidade de Éder Luis, e no oportunismo de Alecsandro o Vasco marca o primeiro. Curiosamente, os 3 jogadores costumam fazer a festa contra o Atlético faz tempo.

Pro segundo tempo, pra mim veio o primeiro erro de Adilson. Considerando a capacidade técnica de cada jogador, Madson foi com certeza o pior no primeiro tempo, com jogadas displicentes e errando muitos passes, o baixinho nitidamente não quis jogar contra o Vasco, ou seja, tem que sair. Não saiu, e continuou errando até o final.

Madson só faltou trocar de camisa
Entrou Branquinho pro lugar de Robston. E não decepcionou. O meia atacante está jogando tudo que esperávamos dele desde sua contratação.

E aí o Atlético foi pra cima na base da vontade e da raça. Paulo Baier, diferentemente do Atletiba, resolveu acertar os cruzamentos (mas só fez isso), e no "bate-rebate" Guerrón meteu pra dentro: 1 a 1.

O rubro-negro continuou encima, e Guerrón, como sempre, teve a chance de virar, duas vezes. Chutou as duas pra fora. Aí veio o velho ditado: "quem não faz... leva", e Diego Souza (denovo ele decidindo) pegou a sobra e meteu um balaço no ângulo: 2 a 1.

Na frente no placar, o Vasco recuou e começou a catimba, amarelando todo o seu time, um a um. E quando Felipe tomou o segundo amarelo (segundo Rubens Pozzi, da ESPN Brasil), o super Wilson Pereira Sampaio esqueceu que tinha dado o primeiro. Incrível!

E nessa catimba o jogo foi se arrastando, praticamente sem futebol, até Branquinho pegar uma sobra na área, tocar na bola e se jogar. O juizão, que é fraco pra "baralho", foi na dele e deu o pênalti. Cinco minutos depois (por causa da catimba) Paulo Baier cobrou com perfeição e empatou: 2 a 2 e final de partida.

Veja o gol de Guerrón


Arbitragem

Com 2 impedimentos decisivos mal marcados no primeiro tempo contra o CAP, 1 pênalti mal marcado contra o Vasco, e 2 cartões amarelos sem expulsar Felipe (ainda sem confirmação das imagens da TV), o Furacão acabou saindo no prejuízo.

Zaga ou peneira?

O setor defensivo continua sendo o calcanhar de Aquiles do rubro-negro. Manoel e Rafael Santos não se entendem, Rômulo foi muito mal, e Paulinho sempre na mesma, apenas regular e errando todos os cruzamentos.

Madson não joga contra o Vasco?

O baixinho "soda" esteve simplesmente irreconhecível contra seu ex-clube. Calculando por cima, errou 90% dos passes, armou vários contra-ataques e não ganhou UMA jogada no mano. Nitidamente displicente, ele tem é que se explicar pra torcida. Se não quer jogar contra o Vasco, pede pra sair, não atrapalhe!

Não levem a mal toda a minha revolta com Madson, pois ainda acho que ele é essencial para a qualidade técnica do time. Joga muito, dribla, tem raça e corre, tudo isso mesmo indo pra balada. E por saber de toda essa capacidade é que estou revoltado.

Adilson

Continuo confiando no treinador, mas hoje poderia ter entrado com Branquinho e demorou pra tirar Madson. Mais que isso, com o banco que estava a disposição, não podia fazer.

Paulo Roberto

O volante estreou bem, com bom poder de recuperação, sem errar muitos passes, parece ter futuro.

segunda-feira, 2 de maio de 2011

Vamos ficar de olho na arbitragem!

Wilton Pereira Sampaio.
Na Copa do Brasil, a medida que o torneio começa a funilar, a preocupação com a arbitragem aumenta.

Por ser um torneio mata-mata, os erros acabam sendo mais decisivos, e dificilmente esquecidos pela torcida.

E nós, torcedores rubro-negros, sabemos bem o que é ser prejudicado nesse torneio.

Por isso estou de olho na escala de árbitros.

Wilton Pereira Sampaio é o árbitro escalado para a partida mais importante do Furacão até o momento, em 2011.

Procurando nos meus arquivos de erros de arbitragem, que por sinal não é pequeno, achei o nome do juiz.

Ele apitou a segunda partida do Atlético no Campeonato Brasileiro de 2009, São Paulo 2 x 2 Atlético.

Os erros

Aos 3 minutos de partida, Marcinho sofreu pênalti não marcado, e aos 45 do segundo tempo, quando o Atlético ganhava por 2 a 1, Washington recebe na área, domina com a mão, cruza para André Lima, que em posição de impedimento empata.

Erro absurdo que custou 2 pontos para o CAP logo na segunda rodada do campeonato.

Como de costume, os melhores momentos da TV não cobrem todos os erros de arbitragem, mas no caso do gol absurdamente irregular, você pode conferir aqui:



Então o jeito é ficar de olho no árbitro, e empurrar o Furacão pra cima do Vasco.

PS.: A Furacão.com também destacou os erros do árbitro em 2009, segue o link.

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Apesar do resultado, o time mostrou algumas virtudes

Novamente os imbecis da divisa
tentaram estragar o clássico.

A derrota no ATLEtiba foi decepcionante, ainda mais da maneira que aconteceu.

O Furacão teve uma postura completamente diferente do que estava acostumado neste ano, principalmente ofensivamente.

Em vários momentos da partida, o Coritiba esteve acuado no campo de defesa, sem posse de bola ou chances de contra-ataques.

É claro que isso ocorreu também por conta da tática usada pelo técnico rival, que armou um time que dava campo para explorar os contra-ataques e as falhas individuais do Atlético.

E foram elas que determinaram o resultado. A maior delas, e pra mim determinante pro resultado, a de Manoel, em um lance claro de quem não quer mais jogar no Furacão.

Mas não é das falhas que quero falar, mas sim das virtudes que me surpreenderam, e que mostram aquela luz no final do túnel de 2011.

Listo aqui 3 pontos onde ocorreram melhoras: organização tática, poder de reação, qualidade técnica.

Tática

O time mostrou-se mais organizado (ofensivamente) desde que Adilson assumiu, falta ainda arrumar a defesa.

Poder de reação

No clássico, mesmo depois da expulsão de Manoel, e depois do primeiro gol dos ervilhas, o Atlético continuou melhor na partida.

Madson já deu trabalho contra o
Furacão.
Qualidade técnica

Muito toque de bola e dribles mais objetivos, principalmente por parte de Branquinho, que jogou muito no clássico.

Por isso tudo acho que a derrota não é fim do mundo.

Como eu já disse anteriormente, pouco me importa o Ruralzão, o que me interessa é a Copa do Brasil, e vencendo o Vasco (e vai ser muito difícil) garanto que todos esquecerão rapidinho a derrota no Ruralzão.

Então bora pra cima do Vasco! Força Furacão!

terça-feira, 19 de abril de 2011

Eu vou é no jogo do Baêa!

Neste mês que passou, estive "longe" do Furacão, mas acompanhando de perto as notícias e comentários na galera atleticana.

E o que percebo é apenas um foco da galera: "vencer o ATLETIba"!

E aí eu pergunto: PRA QUE?

Não, eu não quero ver o Atlético perder o clásssico, e muito menos quero ver os ervilhas campeões na Arena.

Mas na boa, se tivesse a opção de ver apenas uma das partidas dessa semana na Arena, escolheria, sem sombra de dúvidas, empurrar o Furacão contra o Bahia!

Não quero chover no molhado, mas o que é mais importante, o Ruralzão ou a Copa do Brasil?

Morando em São Paulo há mais de 1 mês, pude comprovar o que todos nós já sabemos, que aqui (em São Paulo), e no Brasil, não temos projeção alguma. Futebol no "sul" (sim, "sul" é um estado aqui) é Grêmio e Internacional. E não é por conhecerem melhor os pampas, mesmo porque Porto Alegre e Curitiba aqui é a mesma coisa. Isso acontece pelo simples fato da dupla gaúcha manter um histórico de títulos nacionais, e ponto final.

Não estou falando pra simplesmente desprezar o Ruralzão, ou mesmo o clássico ATLETIba, afinal eles tem sua importância. Mas não a importância de uma oitavas-de-final de um torneio nacional.

Por isso, no feriado, vou pra Curitiba assistir O JOGO contra o Baêa, e como bônus vou pra Arena também no domingo de Páscoa, pra ver o Furacão, empolgado pela vitória na Copa do Brasil, adiar e deixar sem graça o título dos ervilhas.

Força Furacão!

PS.: Adaílton seria nosso camisa 9 pra 2011?

terça-feira, 5 de abril de 2011

Desabafo de Geninho e dispensas no elenco movimentam o Furacão

Declaração de Geninho

Como a maioria, não concordo com a forma que Geninho foi demitido, acredito que uma conversa franca entre Marcos Malucelli e o treinador, assim que a decisão foi tomada, teria resolvido o problema, e não mudaria muito a motivação para o clássico.

Estamos (nós torcedores e também a diretoria) pegando o costume de queimar ídolos, e isso é preocupante.

Mas quando Geninho disse "vim ajudar o Atlético", fez parecer que ele é superior a tudo isso que está acontecendo. Não gostei.

De qualquer maneira, Geninho continuará eterno para mim, ídolo e pronto.

Clayton, Vitor e Alê fora.

Faz tempo que critico a manutenção de Clayton no elenco atleticano. Se falam por aí que Lucas é ex-jogador, Clayton então é o que? Acertou a diretoria, só espero que tenham acertado também na forma como fizeram isso, afinal Clayton também foi importante em nossa história recente.

Alê foi a pior contratação da temporada, acredito eu. Vai tarde.

Vitor até fez boas partidas ano passado, mesmo sendo um tanto quanto atabalhoado certas vezes. Num time já encaixado, provavelmente daria certo.

E dizem que vem mais dispensa por aí, vamos aguardar!

segunda-feira, 4 de abril de 2011

Adilson é mais técnico, mais vibrante, mais regular, e até mais atleticano

Geninho vai!

Deixo aqui meu muito obrigado a Geninho, eterno ídolo rubro-negro. Infelizmente, é um "obrigado por tentar", mesmo assim nunca esquecerei das vitórias que ele nos trouxe.

Não culpo Geninho pelo fracasso nesse início de temporada. E não o culpo por acreditar que ele não era, nem de perto, o nome certo para o cargo nesse momento.

Em 2008, quando assumiu, veio para apagar incêndio, com um elenco fraco que precisava mesmo era de motivação. E esse sempre foi o forte de Geninho.

Eu mesmo, não gosto dessa coisa de técnico motivador, de elenco fraco psicologicamente, parecem desculpas para o fracasso.

Mas presenciando o que o Atlético passou nesses últimos anos, não tem como negar que esses são fatores importantes no futebol. Por isso Geninho, mesmo sem apenas regular tecnicamente, conseguiu "montar" equipes vencedoras.

Adilson vem!

Só que neste ano temos um elenco com maior qualidade do que nos anos anteriores. Precisamos de um técnico de ponta, vibrante, de atitude, como Adilson Batista.

Adilson é o tipo de técnico que não fica esperando um milagre quando o time está mal, ele tenta é resolver mesmo, se preciso tirando o craque que está mal naquela partida.

Mas o novo técnico terá um problema sério, na minha opinião: a condição física do elenco.

O Atlético, em 2011, fez apenas 3 semanas de pré-temporada, e logo entrou numa maratona de 2 jogos por semana, durante quase 3 meses.

Pra recuperar esse "tempo perdido", ou mal gasto, eu acredito que a solução seja abandonar o Paranaense, e apenas treinar para a Copa do Brasil.

E o Atletiba? Joga com o time B mesmo, qual o problema? Não vale nada pra gente!

Pra mim, melhor uma Semi-Final de Copa do Brasil (onde nunca chegamos) a um título de Campeonato Paranaense!

PS.: Por não estar a par dos fatos sobre a maneira como a mudança foi feita pela diretoria, prefiro ainda não comentar sobre isso. Mas que a diretoria vem metendo os pés pelas mãos, é fato.

quinta-feira, 24 de março de 2011

Férias do Blog até depois da Páscoa!

Peço desculpas pela demora nos posts, mas estou totalmente sem tempo de postar no momento.

Então vou deixar o Blog de férias até depois da Páscoa!

Mas eu volto! :)

Abraço!


... e Dalhe Furacão!

sexta-feira, 11 de março de 2011

O vexame de ontem na minha visão

Guerrón foi bem no primeiro tempo,
mas sumiu no segundo.
Sílvio (1) - Desastre total, o goleiro confirmou sua fama de estabanado e quase entregou o ouro em diversas oportunidades.

Wágner Diniz (5) - Jogou como sempre joga, aparecendo muito pro jogo, criando boas jogadas (duas vezes deixou companheiros na cara do gol), mas sem qualidade técnica. Defensivamente foi mal.

Manoel (2), Rafael Santos (1) e Gabriel (3) - Os 3 desastrosos, um pior que o outro, abusaram de falhar no conjunto e individualmente.

Héracles (3) - O garoto que eu considero uma boa promessa foi mal também. Pelo seu lado nasceram praticamente todas as jogadas de ataque do time "genérico".

Alê (5) - O volante de qualidade técnica limitadíssima se propôs a fazer o feijão com arroz, e não foi tão mal quanto os companheiros. Inclusive, na minha opinião, sua saída destruiu o que restava do meio-campo do Atlético.

Kleberson (6) - Fez a melhor partida desde sua volta, e obviamente isto está ligado ao fato de ter jogado como segunda volante. Na marcação só cercou, mas no ataque lançou boas bolas para Guerrón, e no segundo-tempo fez um golaço. Continua errando muitos passes.

Paulo Baier (2) - O "maestro" não consegue jogar desde o Atletiba. Parece estar sem condições físicas para disputar tantas partidas. Nem bola parada ele vem acertando.

Wescley (2) - Correu.

Guerrón (5) - Jogou muito no primeiro tempo, participando de praticamente todas as jogadas do CAP. Se não fosse o segundo tempo horroso que fez, seria o melhor em campo.

Ivan Gonzalez (3) - Correu muito, como sempre.

Henan (sem nota) - Entrou novamente no sufoco, pra ter que resolver, fez uma boa jogada, mas sem tempo pra avaliação.

Clayton (sem nota) - Ex-jogador, não tem condições físicas de estar no elenco. Só joga pra torcida.

Geninho (2) - De positivo apenas o fato de ter colocado Kleberson na meia. O treinador, que deve servir mais pra não atrapalhar do que pra ajudar, no final da partida desmontou completamente o time, colocando Clayton, que nem marca nem joga, no lugar de Alê, que pelo menos preenchia bem o meio.

O jogo

O time não teve esquema tática bem definido e jogou na base do "vamo vê no que dá".

Com 3 zagueiros batendo cabeça, dois laterais que simplesmente não voltaram e apenas um volante de marcação, o Atlético novamente sofreu no setor defensivo.

Ofensivamente, no início da partida, até fomos bem, devido a qualidade técnica muito superior a do adversário. O Atlético criou pelo menos 4 chances de gol, praticamente sempre em jogadas de Guerrón.

Mas foi o "genérico" que marcou primeiro, com Manoel perdendo novamente no mano a mano.

O segundo tempo veio com o Furacão veio pior e, novamente, foi a qualidade técnica que decidiu. Kleberson que, jogando de segundo volante, conseguiu jogar bem, arriscou vários chutes a gol (desde o primeiro tempo), e na quarta tentativa marcou um golaço.

Aí Geninho resolveu piorar o que já estava ruim. Tirou Wágner Diniz, que ainda era um dos poucos que criava, para colocar Henan, deslocando Wescley, improvisado, para a lateral direita.

Não contente com o primeiro erro, resolveu entrar na onda da torcida e colocar Clayton no lugar do único volante de marcação que tínhamos. Foi o que bastou para o time perder completamente o meio campo e a posse de bola.

O Atlético ficou com 2 zagueiros atrás, Clayton (ou Cleyton, como diz o senhor que senta próximo a minha cadeira) armando as "jogadas", e o resto todo lá na área do adversário... e DALHE CHUTÃO.

Resultado, dalhe contra-ataques dos "genéricos". Não tomamos o segundo por sorte. (e segundo eles, pelo juiz, que não teria marcado um pênalti que eu achei que não houve)

No mais, só vaiar por parte da torcida... veja os gols:

quinta-feira, 10 de março de 2011

C13 anuncia lance de R$ 912 mi por Brasileirão 2012

Globo já negocia diretamente com clubes.
O Clube dos 13 fez novo movimento na guerra política que se tornou a negociação dos direitos televisivos do Campeonato Brasileiro no triênio entre 2012 e 2014. Em comunicado enviado à imprensa, a entidade afirma ter conseguido lance de R$ 912 milhões apenas pela próxima temporada e aposta no dinheiro para recuperar força. 

"Com a formalização das regras para publicidade estática, direitos internacionais e novas mídias, o valor mínimo ultrapassará R$ 1 bilhão, quase o dobro do que os clubes vão faturar com a venda dos direitos para o Brasileiro de 2011", consta na nota. O vencedor da licitação, bem como outros detalhes, ainda não foram divulgados. 

Após ter convidado "mais de 20 empresas" para a licitação, viabilizada após acordo com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), o resultado do processo será anunciado na manhã da próxima sexta-feira (11). Na ocasião, o Clube dos 13 pretende tornar pública a vencedora da modalidade TV aberta. 

"Tenho convicção de que os resultados comerciais obtidos com a livre concorrência serão suficientes para que saiamos desse processo mais unidos, bem-estruturados financeiramente e fortalecidos como associação", disse Fábio Koff, presidente do Clube dos 13, em referência à decisão de várias equipes de negociar separadamente.

Fonte: Site Oficial do CAP (leia matéria completa aqui)

---

Se for verdade mesmo, sem "poréns", vai botar fogo na bagaça!

Com 6 desfalques, a partida de hoje deve ser complicada

Geninho terá problemas para escalar
o time.
Comparando os elencos, a partida de hoje teria tudo pra ser tranquila, com uma vitória certa. Mas com os desfalques já anunciados, o jogo promete ser complicado.

Eu irei a Baixada já com expectativa baixa (não que estivesse muito alta) para não me decepcionar muito.

Já são 6 desfalques: Paulinho, Lucas, Madson, Branquinho, Nieto e Héverton.

Dos seis, apenas um não deve gerar maiores problemas, e esse é Paulinho, que deve ser substituído (e espero que perca de vez a posição) por Héracles.

Madson tem sido o "motorzinho" do time, e ainda temos seus dois "substitutos imediatos" no DM (Héverton e Branquinho).

Lucas e Nieto não vem fazendo boas partidas tecnicamente, mas atacante, pra mim, não joga bem ou mal, atacante faz gols ou não faz gols. E gols, os dois vem fazendo.

Com todos esses problemas, Geninho terá que mudar o estilo do Furacão jogar. O time provável, segundo a imprensa, será: Sílvio; Manoel, Gabriel e Rafael Santos; Wágner Diniz, Alê, Kléberson, Paulo Baier e Héracles; Guerrón e Wescley.

Se é mesmo pra jogar no 3-5-2, eu iria de: Sílvio; Manoel, Gabriel e Rafael Santos; Edgar, Vitor, Kleberson, Paulo Baier e Héracles; Guerrón e Henan.

Mas mudando o esquema, eu iria num 4-2-3-1 com: Sílvio; Edgar, Manoel, Rafael Santos e Héracles; Vitor e Kléberson; Guerrón, Paulo Baier, Weslcey; Henan.

Atlético quer renovar com Sílvio

O goleiro titular do Furacão chegou para ser testado, e devido as várias falhas de João Carlos, acabou tendo chances seguidas e provou ser "menos pior", ou pelo menos estar em melhor fase.

Eu acho Sílvio um goleiro estabanado, que faz ótimas defesas, é vibrante, mas que ainda não passa confiança total.

No momento, parece ser o melhor goleiro do elenco, e como é jovem, tem muito a evoluir.

Essa renovação, pra mim, faz sentido.

DM cheio logo depois de Riva Carli deixar o Furacão, coincidência?

Riva trocou o CAP pelo São Paulo.
Mal o preparador físico Riva Carli deixou o Furacão, e o Departamento Médico já está cheio.

Coincidência? Acho que não!

Imagino que para fazer o planejamento da temporada, os preparadores físicos foram consultados.

Assumindo essa verdade, permitir que os atletas, que acabaram de voltar de férias, joguem 2 vezes por semana com apenas 3 semanas de pré-temporada é um crime.

Só poderia acabar desta forma, com vários no DM.

quinta-feira, 3 de março de 2011

Rapidinhas sobre a semana do Atlético

[foto: Ag. Estado]

Copa do Brasil

Pra não variar, o Furacão penou pra passar da primeira fase da Copa do Brasil. Ano após ano é isso, sofremos contra times fracos, passamos bem contra algum time médio, nos animamos, e daí tchau nas quartas-de-final.

Difícil tirar alguma lição do jogo de ontem.

Adversário fraco, campo pesado, torcida desconfiada protestando, técnico recém chegado, destaques do time jogando mal... Foi tudo muito atípico, exceto o fato de sofrermos para passar da primeira fase.

Os melhores do jogo: Guerrón e Lucas (esse errando muito, lutando muito e sendo decisivo na hora certa).

Os piores (acredite): Paulo Baier e Kléberson. O Xaropinho errou tudo e mais um pouco.

Lesão de Madson

"O Soda" tem sido o motorzinho do time. Quando não joga, tem feito mais falta que o maestro Paulo Baier. Ficará duas semanas de fora, preocupante.

Mas vendo por um lado "positivo", a lesão vem num momento "menos pior", já que teremos apenas o Paranaense nesse tempo. Então quem sabe Geninho não descobre um alternativa para as futuras ausências do baixinho quando o bicho estiver pegando mesmo.

Marcos Pimentel de saída

Finalmente. O lateral não conseguiu mostrar bom futebol em nenhum momento no Furacão. É fraco defensiva e ofensivamente, e no elenco temos outras opções melhores (Wágner Diniz e Edgar).

MCP e MM juntos? Nunca mais.
Petraglia x Marcos Malucelli

O primeiro já perdeu a postura faz tempo, principalmente quando fala da atual direção, sempre exaltando o passado, mas nunca admitindo seus próprios erros nas útlimas temporadas que esteve a frente do CAP.

Já o segundo perdeu a linha no meio de seu mandato. Costuma ser coerente ao falar de futebol, mas quando fala do primeiro, se perde.

Eu ainda acho que as contratações da Gestão Malucelli, quando dinheiro foi investido, foram boas e pontuais.

Já a Gestão Petraglia, na época de sucesso, tinha um perfil completamente diferente de contratações. Deu muito certo na época, mas a insistência em manter a política do "bom" e barato acabou minando os últimos 3 anos de mandato, quando disputamos apenas rebaixamente ano após ano.

É preciso encontrar um equilíbrio entre as duas situações.

Contrações (e também poucos empréstimos) como Marcinho, Paulo Baier, Wesley, Madson, Guerrón, Lucas e Kléberson são importantes para um clube que quer ganhar títulos nacionais.

Mas investimentos (e parcerias) na base que apresentem jogadores como Jadson, Fernandinho, Rhodolfo, Chico e Neto também são de extrema importância.

E já que Malucelli e Petraglia nunca irão se entender, como cheguei a sonhar que pudesse acontecer, quem se candidata?

terça-feira, 1 de março de 2011

E vamos de Guerrón pra cima deles

Baier e Guerrón voltam ao time.
Geninho pode ter definido o time que vai a campo amanhã, contra o Rio Branco-AC, no treino de hoje (terça-feira) a tarde.

Segundo a Furacao.com, o time titular que treinou foi: Sílvio, Manoel, Gabriel, Rafael Santos, Kléberson, Alê, Paulo Baier, Madson, Paulinho, Guerrón e Lucas.

Seguindo a linha do útlimo jogo, Manoel será um terceiro zagueiro que pode se transformar em lateral, sendo que Kléberson continua com a liberdade de posicionar também pela meia, como segundo volante encostando mais no ataque.

Eu não gostei muito dessa formação no segundo tempo da partida contra o Rio Branco-PR. Achei que o setor direito ficou muito enfraquecido ofensivamente, com Manoel só subindo até pouco a frente do meio campo, e Kleberson quase nunca caindo por ali.

Acho que se é pra jogar com essa formação, temos que ter dois laterais (mesmo que um improvisado) atuantes municiando o ataque, seja em bolas aéreas ou entrando na diagonal.

Quem sabe com Guerrón caindo mais pela direita, isso volte a acontecer.

---

O time ideal, para essa partida, pra mim seria:

Sílvio; Wagner Diniz, Manoel, Rafael Santos e Paulinho; Deivid, Kleberson, Paulo Baier e Madson; Lucas e Nieto.

No banco teríamos como opções: Santos, Gabriel, Héracles, Vítor, Héverton, Guerrón e Wescley.

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Geninho já veio, agora é aproveitar o melhor dele

Eu, como praticamente todos os atleticanos, tenho gratidão eterna por Geninho, por tudo o que ele já fez aqui no Furacão. A conquista do título de 2001 e a permanência na Série A em 2008 são duas das maiores façanhas da história do Atlético.

Mas também como grande parte dos atleticanos, não acho que Geninho seja o técnico ideal para esse momento do CAP. E penso assim por acreditar que Geninho é técnico de "tiro curto", que pega um time já formado e motiva para o restante da competição, sem maiores mudanças táticas ou individuais.

Por isso acredito muito que seu trabalho trará ótimo resultado imediato, quem sabe até com um título Paranaense que parece improvável no momento, assim como pareciam improváveis as façanhas citadas acima.

A questão, pra mim, é: ... e depois?

Um campeonato Brasileiro com 38 rodadas, em pontos corridos, não parece ser o ponto forte de nosso treinador, então o jeito é focar na Copa do Brasil.

Aí podem falar: "ah, mas todo ano o objetivo é a Copa do Brasil, e sempre acaba em eliminação". Concordo. Mas não se pode negar que o elenco deste ano é mais forte, tem qualidade, principalmente ofensiva, e devidamente motivado, pode chegar longe num campeonato rápido, de tiro curto, como a Copa do Brasil.

O elenco rubro-negro deste ano tem bom poder ofensivo, com muitas alternativas. Adicione aí uma vontade louca de vencer com um mínimo de organização tática, e podemos chegar ao tão sonhado título nacional que ainda não temos.

Afinal, agora Geninho já veio, então agora é aproveitar o que de melhor ele tem a nos oferecer.

Ps.: Peço desculpas pelo longo tempo sem postar nada... espero que a galera rubro-negra (ou não) continue acessando aqui! Abraço!

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Leandro Niehues insiste no erro: Clayton como segundo volante.

Depois da vitória de quinta debaixo de muita chuva, o Furacão venceu novamente numa partida "atípica".

De jogada bonita só o primeiro lance, no primeiro gol do Atlético, com passe de Branquinho, para o corta-luz de Nieto e a finalização de Clayton, 1 a 0 Furacão.

Depois, durante todo o primeiro tempo, só deu ACP, com direito a gol de empate.

No segundo tempo, a história foi parecida, mas com lançamentos de Paulo Baier e a boa fase de Nieto (na chuva), o Furacão venceu na individualidade, tomando ainda um pequeno sufoco no final da partida.

Clayton

O técnico Leandro Nieheus, que até foi bem nas substituições da partida anterior, insistiu no erro de entrar com Clayton como segundo volante.

O "Predador" não tem mais a capacidade de desarme necessária para um segundo volante, aliás, ele mal acompanha os meias adversários, a exemplo de Branquinho.

Pensando no ataque, Clayton tem sido muito útil, mas nesse esquema, jogando como segundo volante, deixa o time muito vulnerável. E com o meio ainda tendo Branquinho, em péssima fase, sem ajudar na marcação, o Atlético perdeu o meio-campo durante todo o primeiro tempo.

Mudanças de Leandro Nieheus

Na volta pra segunda etapa, o treinador interino resolveu tirar Branquinho (que realmente não jogava nada) e colocar Fransérgio. Na hora, pensei que funcionaria, afinal Fransérgio passaria a ser o segundo volante, preenchendo melhor o meio, e Clayton seria liberado pra armar junto com Paulo Baier.

Mas, pra minha surpresa (sim, eu ainda me surpreendo com as besteiras de Nieheus), Fransérgio entrou como terceiro zagueiro, abrindo um rombo ainda maior na meia-cancha rubro-negra.

Goleiro Sílvio

Aí o goleiro Sílvio trabalhou bastante, mesmo que de forma estabanada em algumas oportunidades, o goleiro estreante foi decisivo, fazendo algumas difíceis defesas, ainda mais num campo enlamaçado.

Merece mais algumas chances como titular.

Maestro e "auxiliar" técnico Paulo Baier

O gol do ACP parecia ser questão de tempo, quando Baier decidiu discutir a formação tática da equipe com o treinador interino. Após a discussão, Baier organizou praticamente uma preleção no centro do gramado.

Resultado: Fransergio avançou para segundo volante, Clayton e Baier ficaram mais recuados, apenas lançando bola para Wescley e Nieto.

Cinco minutos depois Baier lançou Nieto, que driblou o goleiro e sofreu um pênalti infantil, 2 a 1.

Logo depois, o Maestro sofreu falta, cobrou, o goleiro deu rebote duas vezes e a bola sobrou para Nieto marcar o terceiro.

Maestro Paulo Baier decidindo novamente.

Gols da partida



Chuva forte e rápida deixou o gramado em condições horríveis



Saudações rubro-negras.