sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Depois de bom primeiro tempo, segunda etapa desastrosa decreta a derrota do Atlético

Principal diferença entre os dois times, enquanto temos Bruno Mineiro eles
tem Fernandão e Ricardo Oliveira.
Depois de fazer um bom primeiro tempo, Furacão se perde no segundo tempo e perde para o São Paulo.

O Atlético entrou em campo completamente desfigurado, sem seus principais jogadores em todas os setores do campo.

Na zaga, Rhodolfo não jogou, dando lugar pra Rafael Santos, que não foi mal, mas está sem ritmo.

Na lateral direita, dois desfalques, Elder Granja e Wagner Diniz não puderam participar, dando lugar para o improvisado Deivid, que conseguiu ser um dos melhores em campo no primeiro tempo, e um dos piores no segundo.

No meio, as principais e mais sérias mudanças, Claiton tentou fazer o papel de Baier, mas pareceu não ter entrado em campo, não marcou, não armou, não jogou, visivelmente sem condições de jogar um partida em velocidade alta, como foi o jogo de ontem.

Ainda no meio, Netinho entrou para o lugar de Branquinho, que vinha sendo o principal jogador rubro-negro, principalmente nas vitórias fora de casa. Como esperado, Netinho não comprometeu, mas também não decidiu. Bem que tentou, num lançamento espetacular deixando Guerrón na cara do gol, mas o atacante preferiu se jogar e pedir pênalti.

Falando em Guerrón, "eita" jogador estranho né? Totalmente imprevisível, acho que é o que melhor define Guerrón. Nitidamente, é fraco tecnicamente, mas faz algumas jogadas que me fazem questionar se é tão fraco assim. Me lembra muito de Kléber Pereira, capaz de jogadas incríveis seguidas de jogadas bizarras.

Já Bruno Mineiro não, é previsível como uma porta (?). Porta porque a bola bate e volta, sempre da mesma maneira. Reclama durante a partida inteira, faz faltas, leva faltas, mas resumindo perde TODAS as jogadas. Horrível, simplesmente horrível. Ontem, assistindo o jogo ao lado do meu pai, chegou um ponto em que estávamos dando risada das bizarrices de Bruno Mineiro, literalmente rindo pra não chorar. O cara FEDE de ruim!

Mas voltando a partida...

Também vi ontem o grande mérito de Carpegiani na vitória dos bambis. O ex-técnico rubro-negro explorou a lentidão do meio atleticano, nitidamente acelerando a partida de propósito. E funcionou.

Só que no primeiro tempo, o Atlético achou os contra-ataques e também ofereceu perigo à meta de Rogério Ceni (o bambi Mór). O Furacão terminou a primeira etapa até melhor que o São Paulo.

Mas veio o segundo tempo, e o Carpa colocou Marlos no lugar de Casemiro, que errou muitos passes na primeira etapa. Aí a lentidão do meio atleticano ficou evidente. Claiton não achava ninguém do São Paulo para marcar, Paulinho e Deivid viam os bambis fazerem jogadas de ultrapassagem o tempo todo, sem cobertura, Vitor sempre atrasado... Resultado: derrota!

Achei também que Sérgio Soares demorou para tirar Claiton e Deivid, que estavam claramente perdidos com o ritmo aplicado pelos bambis. Mas faz parte, não tem como culpar o técnico numa partida onde o banco tem Marcelo e Nieto como opções de ataque, além de nenhuma opção para o meio.

Veja os melhor momentos

Melhores do CAP

Guerrón, imprevisível, mas decisivo.
Deivid (versão primeiro tempo).

Piores do CAP

Bruno Mineiro (...)
Vítor, abusou nos erros de passes e chegou atrasado em praticamente todas as jogadas.
Deivid (versão segundo tempo).
menção para Claiton, que não entrou em campo, só assistiu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário