quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Construtoras já mostram interesse no projeto da Arena da Baixada

Arena poderá ficar menos tempo sem
jogos.
Em entrevista à Rádio Transa mérica, o presidente do Atlético, Marcos Malucelli, voltou a confirmar que há candidatos pela obra na Baixada. “Eu mesmo recebi duas construtoras interessadas no potencial construtivo. Agora, oficializando o processo, outras devem se candidatar”, afirmou...

...Uma das que devem participar deste processo é a J. Malucelli, uma das maiores do ramo no estado. O seu presidente, Joel Malucelli, confirmou que, diante do acordo entre governo e Atlético, a empreitada pode ser viável financeiramente.

“Ainda não existe um projeto quantitativo e um estrutural. Desde que os recursos sejam claros e confiáveis, devemos participar da licitação”, garantiu.

O dono do Corinthians Paranaense já havia dito à Gazeta do Povo há uma semana que não tinha interesse caso a forma de pagamento fosse o potencial construtivo. O discurso mudou.

“Depende das condições do potencial construtivo. A quantidade de papéis, o tipo, o preço por metro quadrado”, ponderou. “Por enquanto não tem nada oficializado, no papel. São só discursos. A hora que virar uma formalização de proposta, nós vamos estudar, ver se vale a pena ou não. Mas que temos interesse, isso nós temos”, reiterou o dirigente.

Outra empresa que também tem a intenção de participar do processo é a C.R.Almeida. Segundo Sandro Vicentini, diretor jurídico da empresa, uma obra como um estádio para a Copa do Mundo realmente chama a atenção. “Assim que as regras estejam determinadas, vamos analisar o projeto para ver se vale a pena”, confirmou.

Uma das novidades anunciadas pelo clube é a possibilidade de ficar pouco tempo longe da Baixada para a realização da reforma. Inicialmente, previa-se que o Furacão teria de mandar seus jogos em outro local assim que as obras começassem.

Faz parte da exigência para a construtora ficarmos fora da Arena o menor tempo possível. Poderão começar a fazer obras pela parte externa, não prejudicando o gramado”, avaliou Marcos Malucelli, referindo-se ao terreno do antigo Colégio Expoente, sem prever data para o início dos trabalhos.

Fonte: Robson de Lazzari e Robson Martin / Gazeta do Povo (reportagem completa aqui)

"Naming Rights" ainda pode acontecer
Copel

Os cinco clubes paranaenses que estão participando de competições nacionais de futebol receberão R$ 300 mil cada até o fim do ano. O dinheiro virá do projeto “Esporte com mais Energia”, da Copel, que também atingirá atletas de esportes olímpicos do estado.

Para as equipes de futebol, a distribuição será isonômica entre Atlético, Coritiba, Paraná, Iraty e Operário. “Para um clube que tem R$ 60 milhões anuais de orçamento esse valor é absolutamente irrisório”, avaliou o presidente atleticano Marcos Malucelli.

Mas o Atlético pode lucrar ainda mais com a Copel, pois a Assembleia Legislativa considerou irregular a votação que derrubou o projeto do deputado Stephanes Júnior (PMDB) para ceder direitos sobre o nome da empresa aos clubes. Nova votação ocorrerá na semana que vem. (RL e RM)

Nenhum comentário:

Postar um comentário