quarta-feira, 4 de agosto de 2010

BNDES aceita financiar as obras da Arena da Baixada...

... mas não aceita potencial construtivo como garantia!

"As discussões sobre as obras de conclusão da Arena da Baixada visando a Copa 2014 parecem estar chegando ao final. E a novela, ao que tudo indica, deve ter final feliz para os atleticanos. Nesta quarta-feira, em reunião no Rio de Janeiro, o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, afirmou que a instituição aceita a proposta para financiar as obras de conclusão do Estádio Joaquim Américo para a Copa do Mundo de 2014. o encontro contou com as presenças do governador do Paraná, Orlando Pessuti, e do prefeito de Curitiba, Luciano Ducci.

Entretanto, para viabilizar o empréstimo e consequentemente financiar as obras no estádio o BNDES exige que a construtora responsável pela obra ofereça as garantias financeiras para o financiamento. Essa construtora ainda não foi definida e deverá ser escolhida através de concorrência pública.

Em troca das garantias financeiras para a obra, a construtora receberá os créditos de potencial construtivo emitidos pela prefeitura de Curitiba – com esses créditos, ela poderá utilizar para si própria ou vender a outras construtoras o potencial construtivo para outros empreendimentos. 

De acordo com o presidente do BNDES, Luciano Coutinho, as normas do Banco Central exigem que não se possa aceitar o uso do potencial construtivo como garantia do empréstimo. 

Nos próximos dias deverá ocorrer uma reunião com as presenças de Pessuti e Ducci, além do presidente do Atlético, Marcos Malucelli, para discutir os detalhes do financiamento pelo Programa BNDES de Arenas para a Copa do Mundo de 2014 (ProCopa Arenas).

Fonte: Furacao.com"

Comitê pediu a Ricardo Teixeira participação de Curitiba na Copa das Confederações, em 2013.

A reunião só serviu para confirmar que o BNDES aceitará financiar as obras da Arena da Baixada, por meio de um empréstimo feito diretamente a construtora, que terá que apresentar garantias. Ou seja, nada além do normal, já que é justamente pra isso que o BNDES serve, emprestar dinheiro visando o crescimento do país, e como qualquer outro banco, exige garantias.

A diferença com relação as soluções apontadas anteriormente, é que os papéis de Potencial Construtivo serão repassados diretamente para a construtora, e essa construtora terá a responsabilidade de negociá-los para pagar o empréstimo.

E ainda segundo a reportagem, essa construtora será escolhida por concorrência pública. Mas ainda resta saber se a obra é vantajosa para alguma construtora, e pelo jeito só saberemos quando a concorrência pública sair.

Resumindo, a novela evoluiu, mas continua.

Nenhum comentário:

Postar um comentário