terça-feira, 22 de junho de 2010

Branca de Neve e os 6 anões, por Sidney Garambone

Por Sidney Garambone:

"Mestre estava preocupado. Pensou em chamar Feliz. Não, não. É um eterno otimista. Marcou, pois, uma reunião com Zangado. Saíram da mina de diamantes e foram tomar um trago na terceira árvore da floresta.


        – O que está havendo com o Dunga?
        – Vai perguntar para mim? – reclamou Zangado.
        – Achei que você fosse o mais indicado.
        – Eu já reparei. Tentei falar, mas achei melhor a prudência. Com ele, não quero briga.


Mestre sabia que Dunga era sentimental, que não esquecia desaforos antigos mas, mesmo assim, estava surpreso. Não havia espaço para brincadeiras e canções. Dunga era só retaliação.


Os outros anões, de copo na mão na hora do almoço, viram Mestre e Zangado na tertúlia e resolveram se aproximar. Sabiam o assunto.


        – Ele xingou a Branca de Neve – disse Dengoso, chorando.
        – Ele reclamou dos meus espirros – contou, magoado, Atchim.


E, para Feliz, Dunga também mandara na lata:


        – Está rindo de quê? De mim?


Soneca também estava espantado.


        – Dunga falou que meu patrão deveria me demitir porque eu durmo muito.


Mestre sentiu-se acuado.


Patente por patente, era ele quem deveria chamar a atenção de Dunga. Mas achava melhor não. Se houvesse alguma cizânia, diriam que a culpa era dele e de Dunga.


O jeito foi apelar para Branca de Neve.


Doce e meiga, ela tudo percebera e temia levar uma patada. Não deu outra. Aproximou-se, cândida, do seu anão preferido. E perguntou:


        – Dunguinha, você está triste?
        – Isso é você que está dizendo!
        – Posso dar um beijo na sua careca?
        – Não! Tenho memória de elefante, quando pedi um beijo na careca numa tarde chuvosa, há 49 dias, precisamente às três e quarenta e sete da tarde, você disse que estava ocupada com a faxina. Agora não quero!
        – Mas o que aconteceu para você ter ficado tão bravo?
        – O que aconteceu ou o que tem acontecido?
        – Não me diga que você ainda está furioso com a brincadeira dos diamantes de três anos atrás.


Silêncio.


Branca continuou.


        – Dunguinha, quando vocês passaram um mês sem conseguir extrair diamante algum da mina não foi culpa só sua. Foram dos sete.
        – Então por que disseram que foi a Era Dunga da escassez de diamantes?
        – Generalizaram. Coisa do Zangado e do Dengoso.


Mas Branca de Neve sentia que não era só isso. Tinha a história da maçã. E Dunga desandou a falar.


        – Você é muito oferecida. Aceita tudo. Não devia ter nem olhado para aquela velha. Eu não devia ter permitido você falar com ela.


Também sobrou para o príncipe.


        – Você beijou um desconhecido e de olhos fechados.


E para o espelho.


        – Esse aí não se enxerga…


Troféu Coxinha
pro Dunga!
De longe, os anões olhavam curiosos, aguardando um desfecho feliz. Mas tomaram um susto ao ouvirem Dunga propor para Branquinha.


        – Se você comer esta pêra, talvez eu mude de comportamento…
        – Claro, Dunguinha – aceitou a generosa quase princesa.


Fez-se o barulho. Os seis anões, tresloucados, pularam em cima de Dunga, jogando longe a pêra. E começaram a ralhar:


        – Está maluco? A Branca só quer o seu e o nosso bem! Às vezes nos puxa a orelha, mas só quer o sucesso do grupo! E não cansou de te elogiar em outras ocasiões!


Eis que Mestre aponta, ao fundo da floresta, a madrasta indo embora desapontada. Era um feitiço.


        – Amigos, Dunga não fala!
        – Maldição!


E todos perceberam que o querido anão estava tendo dias de Lobo Mau.


Pena que o rancor do episódio jamais foi curado. Não viveram felizes para sempre. E, naquele dia, nenhum esquilo acreditou na canção: “Eu vou, eu vou, para casa agora eu vou…”

Nenhum comentário:

Postar um comentário