segunda-feira, 14 de junho de 2010

[Arena da Baixada] Estádio público seria solução para Curitiba

Arena da Baixada, 75% concluída
nos padrões FIFA.
Do blog da Nadja Mauad:

"O Conselho Deliberativo do Clube Atlético Paranaense em reunião extraordinária realizada nesta noite de quinta-feira, por unanimidade, não aceitou a proposta apresentada pela Prefeitura Municipal de Curitiba, visando as obras de adaptação do Estádio Joaquim Américo, ao caderno de encargos da FIFA. 


O CAP, reconhecendo todos os esforços empreendidos pela Prefeitura Municipal, Secretarias e Câmara de Vereadores, permanece receptivo a novas proposições visando a viabilização econômica do projeto. [site oficial]


A notícia fez com que o Coritiba, em uma reunião nesta segunda-feira, voltasse a cogitar colocar em prática um Plano B. Um dos integrantes do G9 do alviverde, Ernesto Pedroso, concedeu nesta segunda-feira uma entrevista ao apresentador Cláudio de Julio e ao repórter Paulo César Tiemann, na CBN. 


“Foi oferecido através da Andrade Gutierrez, um plano B, para uma parceria público privada, envolvendo o Coritiba, o Governo, o Município e a Federação, onde teríamos uma Arena construída nos moldes da Arena do Atlético. Já teríamos datas préfixadas para a utilização do Paraná, mas seria uma Arena Coxa. Tinhamos deixado em standby esse projeto, porque o Atlético estava se movimentando. Mas já foi divulgado que o Atlético estaria desistindo porque não era satisfatório para o grande Conselho do clube, já que teriam que investir o dinheiro para finalizar o estádio. Eu até entendo isso vendo a própria dificuldade na gestão do Coritiba , por isso fizemos uma reunião hoje com a diretoria e ficou decisido que colocaríamos a disposição de todos essa alternativa”.


“Seria uma parceria público-privada. Por isso não dá para comparar com a verba pública que o Atlético pretendia. Essa nossa arena seria pública, o Coxa entraria com o nome, com a gestão, com o interesse voltado para a Arena. A ideia em princípio é construir onde está o Pinheirão, mas isso é um assunto da empreiteira, quq está negociando o terreno com a Federação. Os parceiros existem, o projeto já foi amplamente divulgado. Inclusive foi dito que seria uma arena Paratiba, mas seria Coxa com interesse do Paraná, que poderia realizar seus jogos lá. A administração seria da empreiteira, que comercializaria camarotes, lojas, hotel, é um projeto muito grande que só não tinha sido viabilizado já para não entrar em concorrência com o Atlético. Não era um projeto voltado para a Copa, mas como isso tem acontecido, colocamos a disposição. A obra demoraria 2 anos e meio, mas precisaria da interferência do governo e do município para ser viabilizada”.


Vale lembrar que a Fifa aguarda para esta segunda-feira a entrega da garantia da viabilidade financeira de todas as sedes para a Copa de 2014.


Parceria público-privada:Bruno Fernandes, torcedor do Coritiba: Resumindo a PPP (parceria público-privada): O Estado e o Município entrariam com uma parte do dinheiro e a construtora com o resto e teria direito de explorar o empreendimento por um certo tempo (30 anos p. ex.). Ao final do prazo, o empreendimento seria devolvido para o Estado e Município para dar a destinação que entenderem melhor (p. ex. alugarem tudo de novo para outra empresa através de licitação). O Estado e Municipio seriam os donos da obra."


Mesmo considerando que a iniciativa privada financiaria parte do empreendimento, é difícil imaginar que uma Arena de, mais ou menos, 500 milhões de reais custaria menos de 150 milhões de reais para os cofres públicos. E esse último valor é o custo necessário para se concluir a Arena da Baixada, que já está 75% concluída, pelos moldes atuais e absurdos da FIFA.

Isto posto, uma nova Arena "pública" para uma cidade onde todos os times possuem estádios privados seria um gasto completamente desnecessário de dinheiro público. Ainda mais se considerarmos que com um investimento muito menor, um estádio já estaria apto a abrigar jogos da Copa.

Mas, como estamos no país onde, quanto maior o custo do investimento, mais fácil ser aprovado, não duvido de nada. Por isso que, desde o início da candidatura do Brasil para sediar a Copa 2014, eu fui contra. E continuo sendo. Mas como vai ser aqui, que se gaste apenas o necessário.

Lembrando que Curitiba é das cidades "mais prontas" para receber o mundial. Se o Brasil inteiro fosse tão desenvolvido (ou menos subdesenvolvido) quanto a região Sul, talvez uma Copa trouxesse mais benefícios do que desperdícios. Mas todos sabem que o Brasil, como um todo, poderia utilizar todo o dinheiro que vai ser gasto numa Copa do Mundo de forma muito mais eficaz e inteligente.

Mas chega de filosofar.

Dalhe Furacão!

Ps.: empreiteira disposta a pagar centenas de milhões de reais num estádio que vai sediar 3 ou 4 jogos da Copa, só acredito vendo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário